Tecnologia: Portuguesa Feedzai quer recrutar 70 profissionais

7216
0
Share:

A portuguesa Feedzai, uma das mais bem sucedidas empresas mundiais de tecnologia a operar no Big Data, está a recrutar cerca de 70 profissionais, 50 dos quais para Portugal. A maioria das vagas estão abertas a engenheiros informáticos, nomeadamente nas áreas de desenvolvimento de produto, suporte e data science.

As restantes vagas destinam-se a funções nas áreas de engenharia, marketing e vendas nos EUA, onde a empresa opera através das operações que desenvolve em San Mateo, em São Francisco.

No âmbito deste processo de recrutamento, a Feedzai será uma das empresas em destaque no Festival Landing Jobs, que se realiza na Marina de Lisboa no próximo dia 18 de junho, no qual pretende encontrar alguns dos talentos para esta nova fase de crescimento.

Neste momento a Feedzai emprega 60 pessoas.

Mais informações na área de recrutamento da empresa em:  https://www.feedzai.com/jobs/job-positions/

De acordo com Paulo Marques, CTO da Feedzai, “esta é uma oportunidade para que talentosos engenheiros portugueses possam fazer parte deste projeto internacional e mudar connosco o mundo do science data a nível global. Estamos empenhados em liderar o Big Data e precisamos dos melhores engenheiros para atingir essa ambição”.

Atualmente uma das mais bem sucedidas empresas mundiais a operar no mercado de Big Data, em particular nas área de detecção de fraude em tempo real para os sectores bancários e e-commerce, a Feedzai foi considerada uma das dez mais promissoras startups pela revista Network World, entre outras distinções internacionais.

Nascida há 4 anos atrás em Coimbra, tornou-se num dos casos de referência entre as novas empresas a operar no Big Data. Todos os dias, são produzidos petabytes de dados nas transações online e offline. A empresa combina inteligência artificial com machine learning na análise destes dados, desenvolvendo modelos de predição robustos e padrões do comportamento do consumidor quando fazem compras em qualquer lugar, online ou offline, reduzindo deste modo o risco.


Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário