Pedro Nazareth é o Novo Diretor Geral da Amb3E

15312
0
Share:

Pedro Nazareth é o novo Diretor Geral da Amb3E.  Numa altura de grandes desafios para o setor, com metas de recolha mais ambiciosas e estando a decorrer o processo de atribuição de nova licença para este fluxo de resíduos, Pedro Nazareth tem como objetivo a otimização da atual rede e respetivos circuitos de recolha para os Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE) e Resíduos de Pilhas e Acumuladores.

Engenheiro Mecânico e Mestre em Engenharia e Gestão da Tecnologia pelo Instituto Superior Técnico (IST), Pedro Nazareth desempenhava funções na 3DRIVERS, como Associate Partner e Business Development Manager, com responsabilidade pelo desenvolvimento e coordenação de projetos de consultoria ambiental nacionais e internacionais. No seu currículo, acumula 14 anos de experiência no sector do ambiente, e em particular, da gestão de resíduos. O gestor começou o seu percurso profissional na Bombardier Transportation, na Suécia, como Engenheiro de Eco-design, apoiando a equipa de desenvolvimento de produto. Passou também pela Ecometais, onde assumiu o seu primeiro grande desafio de liderança desta unidade industrial de reciclagem.

“Neste momento, em Portugal, à semelhança do que acontece em toda a Europa, apenas um terço dos REEE são geridos pelas entidades gestoras e corretamente encaminhados para tratamento e valorização. Isto significa que ainda há um grande trabalho a ser feito por todos. Não obstante a Amb3E já se encontrar, ao fim de nove anos de atividade, com a sua rede e circuitos de recolha estabelecidos, acreditamos que ainda podemos fazer mais pela otimização destes circuitos e pela sensibilização da população em geral. Do ponto de vista pessoal, é extremamente motivador dar seguimento a este projeto, sentindo-me parte integrante da denominada economia verde e contribuindo para uma sociedade mais sustentável”, refere Pedro Nazareth.

A Amb3E tem como objetivo aumentar as quantidades de recolha de forma a contribuir para o cumprimento das metas definidas pela nova Diretiva dos REEE. Recorde-se que, a partir de 2016, todos os Estados Membro terão que assegurar uma recolha anual de 45% dos EEE colocados no mercado nacional nos três anos anteriores, uma meta que será progressivamente mais exigente. Pretende, ainda, promover projetos de Investigação & Desenvolvimento para a gestão de resíduos e iniciativas apelativas de comunicação que conduzam à participação ativa da população em projetos como a Escola Electrão, o POW-Dá Power ao Electrão ou o Projeto 80.


Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário