PacSis lança plataforma de Ativação de Marcas em Angola

9504
0
Share:

A Empresa Internacional PacSis – Linking Consumers & Brands, acaba de lançar em Angola a sua plataforma tecnológica, que permite às marcas de consumo ativar as suas relações com clientes através de ações promocionais online geradoras de vendas.

Segundo Pedro Guimarães, Managing Partner da PacSis, “depois de criarmos e otimizarmos esta plataforma em Portugal e Espanha, considerámos que Angola seria o mercado seguinte pela expansão crescente do retalho e evolução do próprio consumidor, com o qual se torna cada vez mais importante criar uma relação local”.

A plataforma tecnológica da PacSis congrega três níveis de serviços para as marcas de consumo contactarem com os seus atuais e potenciais consumidores. O primeiro é o de Ferramentas que corresponde às soluções mais simples como o Experimente Grátis ou outros formatos como Reembolsos. Segue-se o segundo nível de Campanhas em que a PacSis desenvolve a estratégia completa para comunicação do produto, que pode utilizar as Ferramentas e outras soluções mais avançadas. O último nível de Plataformas corresponde a soluções completas, como um portal da marca que congrega todas as Campanhas ou Ferramentas e outros formatos de comunicação que a marca deseje implementar junto do consumidor.

Desde empresas angolanas com atuação apenas local, local e internacional ou a multinacionais presentes em Angola, a PacSis pretende oferecer soluções digitais e promocionais assentes em tecnologia avançada mas simples, que permitem potenciar de forma segura ações promocionais de todo o tipo de marcas junto dos seus consumidores.

A aposta no mercado Angolano vem desde 2013 e é para intensificar, estando a empresa interessada em recrutar colaboradores locais que possam auxiliar a expansão local e internacional.

Já estamos em diálogo com diversas marcas em Angola mas queremos ter uma estrutura local que sirva o mercado nacional e que transponha as empresas Angolanas para o mercado internacional. Queremos igualmente que seja uma linha avançada para outros mercados em África” conclui Pedro Guimarães.


Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário