17557 0

Novas aplicações de negócio são entregues com atraso

A CA Technologies anunciou hoje os resultados do estudo “The Business Benefits of Service Virtualization”, que inclui as opiniões de 100 diretores de desenvolvimento de software de grandes empresas portuguesas e espanholas, e que incide sobre os importantes desafios que se colocam às equipas de desenvolvimento e qual é o respetivo impacte nos negócios.

Um dos maiores apoios que os departamentos de TI oferecem em termos de inovação empresarial e crescimento do negócio é a sua capacidade de entregar projetos de desenvolvimento de software dentro do prazo previsto, no orçamento contemplado e com as especificações e qualidade exigidas. No entanto, as equipas de desenvolvimento muitas vezes enfrentam o desafio de ter experimentar as aplicações contando apenas com recursos limitados e sem a infraestrutura, as ferramentas e o tempo necessários para que seja possível perceber exatamente como é que essas aplicações se vão comportar num ambiente de produção real.

De acordo com a pesquisa realizada pela Coleman Parkes para a CA Technologies, seis em cada dez  (61 por cento) diretores de desenvolvimento entrevistados em Portugal e em Espanha disseram que as limitações encontradas ao longo do ciclo de desenvolvimento e de testes fazem com que as aplicações sejam entregues tardiamente aos clientes. Além disso, cerca de três em cada dez entrevistados (31%) admitem que as aplicações entregues têm bugs quando já estão em produção e 75% reconhecem que este facto gera perdas de negócio.

A crescente exigência das empresas em termos de disponibilização de novas aplicações e serviços de TI traduz-se num aumento da pressão sobre as equipas de desenvolvimento e tem um claro impacte sobre o negócio em termos de cumprimento dos prazos de entrega, da qualidade e do custo.

  • Entregar mais aplicações em menos tempo. Dois terços (68%) das empresas portuguesas e espanholas inquiridas preveem que este ano o número de lançamentos anuais será acima da média atual, que é de 5,2 e que equivale cerca de um lançamento a cada dois meses.
  • As equipas de desenvolvimento entrevistadas dispõem de apenas cinco meses em média para desenvolver, testar e lançar uma nova aplicação, e 21% das empresas costumam ter habitualmente um tempo de resposta inferior a três meses. Além disso, 13% esperam que este prazo se torne ainda mais este ano.
  • Procura por maior funcionalidade. Duas em cada três empresas (68%) acreditam que os projetos de desenvolvimento devem oferecer mais funcionalidades, o que significa produzir mais código, aumentar a complexidade, e potencialmente mais erros e uma maior necessidade de testar. Mais especificamente, seis em cada dez (62%) entrevistados acreditam que a maior complexidade que envolve a crescente procura por aplicações para os ambientes móvel e cloud alargará os ciclos de lançamento e exigirá a mudança do planeamento de desenvolvimento e de testes.
  • Orçamentos insuficientes. Metade das empresas pesquisadas (49%) acredita que os orçamentos não vão variar respectivamente ao ano anterior e 39% prevê até um aumento, facto que se explica por 80% dos entrevistados reconhecerem que deverão conseguir obter um orçamento suplementar para que seja possível resolver os problemas causados pelas limitações no ciclo de desenvolvimento.

Vantagens da virtualização de serviços

As pressões e os desafios enfrentados pelas equipas de desenvolvimento de software apontam para a necessidade de uma abordagem diferente, a fim de se simplificar e acelerar o ciclo de testes.

As empresas pesquisadas reconhecem os benefícios para os negócios que as soluções avançadas de desenvolvimento e testes representam: 80% dos entrevistados acreditam que este tipo de soluções permite reduzir o tempo de desenvolvimento, 77% consideram que melhoram a qualidade das aplicações e 67% defende que contribuem para a redução dos custos de desenvolvimento.

De acordo com Justin Vaughan-Brown, autor do estudo e Strategic Relationships Director, Service Virtualization da CA Technologies EMEA, “a tecnologia de virtualização de serviços resolve os desafios que afetam as equipas de desenvolvimento e responde às atuais necessidades das empresas modernas, que esperam ter aplicações de alta qualidade no tempo e dentro do orçamento estipulado”.

A virtualização de serviços permite desenvolver e testar aplicações através de um ambiente de serviços virtuais configurado para emular um ambiente de serviços reais como os de produção, oferecendo ainda a capacidade de alterar o comportamento dos dados nos serviços virtuais gerados para validar cenários distintos.


Patricia Fonseca

Patricia Fonseca

Viciada em tecnologia, entrou para a equipa em 2012 e é responsável pela Leak Business, função que acumula com a de editora da Leak. Não dispensa o telemóvel nem o iPod e não consegue ficar sem experimentar nenhum dispositivo tecnológico.

Notícias Relacionadas

Lexmark inova processos de reciclagem nas empresas com nova aplicação móvel

A Lexmark lança hoje a sua nova App do Lexmark Cartridge Collection Program (LCCP), Programa de Recolha de Toners da Lexmark, uma aplicação móvel intuitiva que aproveita a

Treze empresas portuguesas entre as 500 tecnológicas com maior crescimento

Portugal conta com treze empresas no Technology Fast 500 EMEA, um ranking anual elaborado pela Deloitte Touche Tohmatsu Limited (DTTL), que distingue as 500 empresas do sector tecnológico da

Cisco revela principais tendências tecnológicas para 2015

No âmbito do seu evento anual Global Editors Conference, celebrado em São Francisco, a Cisco revela as principais tendências tecnológicas para 2015. As previsões foram definidas pelo Cisco

Lean Academy Portugal promove primeira edição da Lean Foundation for IST Engineers

A Lean Academy Portugal está a promover a primeira edição da Lean Foundation for IST Engineers. Esta iniciativa, que divulga o saber e pensamento Lean, destina-se aos alunos de

Dê a sua opinião:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *