NOS divulga novo estudo sobre Social Business

8976
0
Share:

O Facebook é a rede social mais usada pelas organizações portuguesas que têm presença nestas plataformas e as redes com mais potencial de crescimento são o Instagram e o Youtube. São dados do estudo “Social Business: como criar valor para o seu negócio?” realizado no âmbito do Portugal Tech Insights 2020.

O estudo identificou que 70% das organizações com presença nas redes sociais tem uma página corporativa no Facebook. O LinkedIn é a segunda rede social com maior utilização corporativa com 54%, seguindo-se o YouTube com 44%. Seguem-se o Twitter com 42%, Google+ (33%), Instagram (19%), Vimeo (10%) e Pinterest (9%).

As redes com maior interesse e potencial de crescimento no mundo corporativo são o Instagram – 19% das organizações com presença nas redes sociais têm planos de desenvolver a presença neste meio – e o YouTube, com 18%.

Os resultados foram publicados hoje no microsite do projeto – Portugal Tech Insights 2020 – que resulta da parceria entre a NOS e a IDC, empresa líder mundial na área de Market Intelligence. O estudo pretende fazer uma análise ao estado do social business entre as organizações portuguesas. O social business é definido como um conceito alargado que envolve todos os fluxos e processos de trabalho sociais – internos e externos – de uma organização.

Estes processos incluem, por exemplo, as experiências de clientes, colaboradores e parceiros, suportadas por tecnologias que interagem através dos três componentes: redes sociais corporativas, gestão da inovação e “socialytics”.

No estudo conclui-se que a perceção das organizações nacionais sobre o valor destas soluções ainda está centrado sobretudo no suporte às atividades de marketing e no suporte a clientes através das redes sociais, sendo necessário um melhor entendimento do impacto do Social Business na transformação digital das organizações através da experiência dos clientes, comércio, colaboradores, inovação (produtos e serviços) e redes de parceiros.

No caso concreto de Portugal, e em comparação com Europa Ocidental, os dados recolhidos evidenciam que as médias e grandes organizações encontram-se muito atrasadas, na medida em que apenas 13% estão nos níveis mais altos de maturidade (nível gerido e otimizado), face aos 20% na Europa Ocidental.

Principais conclusões

  • Apenas um terço das organizações nacionais já procedeu à adoção de tecnologias Social Business, enquanto cerca de 25% tem planos para adotar estas soluções no espaço de 24 meses e um terço das organizações nacionais não possui planos para adotar estas soluções.
  • A adoção de iniciativas de Social Business nas organizações nacionais está diretamente relacionada com iniciativas de marketing. Aumentar a notoriedade dos produtos/serviços gestão do relacionamento com clientes e recolha feedback dos produtos/serviços disponibilizados pela organização são algumas das vantagens associadas à utilização destas tecnologias. Por outro lado, avaliar o retorno do investimento realizado e produzir um caso de negócio que sustente a adoção destas iniciativas são os principais desafios assinalados pelas organizações nacionais.
  • Apesar da totalidade das categorias da despesa crescerem, impulsionadas pela adoção de iniciativas de Social Business, a despesa com software, serviços de cloud computing e serviços de consultoria de negócio e marketing são as componentes que mais crescem.

Este é o terceiro estudo sobre as principais tendências tecnológicas em Portugal, um projeto que resulta da parceria entre a NOS e a IDC. Os dados e as análises divulgadas são ferramentas essenciais para entender o estado atual do uso da tecnologia, permitindo o desenvolvimento de estratégias mais ajustadas às necessidades das empresas e dos cidadãos. No caso do Social Business a NOS entende que há um caminho aberto para o lançamento de serviços que melhorem a eficácia e a competitividade das organizações portuguesas


Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário