Negócio internacional da SAFIRA atinge os 75%

10472
0
Share:

A SAFIRA anunciou que o negócio internacional já atingiu os 75% da faturação. Até final do ano, a empresa prevê ultrapassar os 9 milhões de euros de volume de negócios, um valor bem acima do inicialmente previsto (8 milhões), e que a equipa atinja os 200 colaboradores. Em 2012, o volume de negócios situou-se nos 7,1 milhões de euros.

Nos primeiros 9 meses do ano, o volume de negócios da tecnológica portuguesa aumentou 64% face ao período homólogo de 2012, correspondendo a receitas consolidadas de 7,7 milhões de euros e ultrapassando assim o total do ano transato. Apesar do crescimento acelerado, a SAFIRA já começou a rentabilizar os investimentos efetuados na sua internacionalização, pelo que a rentabilidade da empresa apresenta também um valor assinalável: nos primeiros 9 meses de 2013, o EBITDA foi de 15%.

De acordo com Pedro Penedo, Administrador da SAFIRA, “O crescimento da empresa, que se acentuou nos últimos 3 anos, resulta em grande parte da estratégia de internacionalização por via da exportação de serviços especializados de elevado valor acrescentado, essencialmente em BPM (Business Process Management), ODM (Operational Decision Management), Mobilidade de Processos e GRC (Governance Risk & Compliance). Os investimentos realizados em torno de tecnologias Microsoft e IBM transformaram a SAFIRA num centro de excelência com um notável reconhecimento internacional e um exemplo do que de melhor se faz nestas áreas.”

Relativamente aos escritórios, Lisboa e Varsóvia registaram um crescimento sólido, em linha com o da empresa (55% e 43%, respetivamente), e constituem a base das operações internacionais da SAFIRA – a esmagadora maioria do negócio é realizada em modelo near-shoring, pelo que as equipas são residentes nestas geografias. A subsidiária do Reino Unido está também a desempenhar um papel preponderante nos bons resultados da SAFIRA, numa região que tem triplicado a faturação nos últimos 3 anos e que já representa mais de 25% do negócio global da SAFIRA. A Alemanha é outra aposta estratégica que tem alcançado um crescimento assinalável, pelo que é natural a abertura de um escritório em breve, potencialmente no início do próximo ano.

Fazendo parte de uma estratégia de redução de risco, a SAFIRA tem diversificado a sua aposta para além do tradicional “Banca e Seguros”, conquistando clientes novos e aumentando a quota em clientes existentes em diferentes geografias, como a TRELLEBORG, a BMW, a GEODIS, a HIPRA e a ADENE. Atualmente, o setor “Banca e Seguros” representa cerca de 55% do volume de negócios, quando há cerca de um ano atrás representava mais de 70%, o que deixa a SAFIRA menos exposta à sua volatilidade. Por outro lado, é um objetivo conseguido sem redução das receitas – a “Banca e Seguros” regista um crescimento de 20% face ao período homólogo do ano passado, e inclui novos clientes como o ROYAL BANK OF SCOTLAND, o BANCO DO CHILE, o BANCO DAVIVIENDA, o MILLENNIUM ANGOLA, o LAN & SPAR BANK, a ALLIANZ, a TUEUROPA e o EMIRATES BANK.

Ao nível da oferta, a SAFIRA mantém a sua linha de ação focada em clientes que estejam a investir em processos de transformação, quer seja por questões de GRC, quer seja porque pretendem otimizar as suas operações (reduzir os custos, melhorar a performance). O GRC é incontornável na Banca e Seguros, mas existe um alastrar de imposições regulatórias a outros setores, desde o público ao retalho, passando pela indústria. Por outro lado, o stress financeiro em que vive a Europa impõe a necessidade de encontrar novas formas de reduzir custos de operação, pelo que a otimização das operações é outra tendência que a SAFIRA está a seguir.

No que respeita a GRC, a SAFIRA está envolvida em projetos de implementação de sistemas para endereçar a conformidade com temas como KYC (Know your Customer), FATCA (The Foreign Account Tax Compliance Act), BASEL e SOLVENCY. Na parte de otimização, trabalha na criação da camada de processos (BPM) em cima dos sistemas LOB (Line of Business) dispersos das organizações.

Em qualquer das vertentes, a utilização de tecnologia BPM para modelar processos, em conjunto com ODM para modelar decisões de negócio complexas, com SOA (Service-Oriented Architecture) para integrar os LOB, e com estratégias de ECM para eliminar a produção e utilização de papel físico, têm-se traduzido em resultados extraordinários para os clientes.

Nos primeiros 9 meses do ano, a SAFIRA contava com uma equipa de 170 colaboradores (150 de nacionalidade portuguesa). Este número deverá atingir os 200 no final do ano.


Share:

Deixe o seu comentário