22213 0

Microcrédito cria em média 157 micronegócios por ano na última década

A Associação Nacional de Direito ao Crédito (ANDC), pioneira na introdução do microcrédito em Portugal em 1998, comemora, no próximo dia 7 de novembro, o Dia do Microempresário, iniciativa que decorre pelo 3º ano consecutivo e que tem como objetivos celebrar a atitude de quem arriscou e criou o seu próprio negócio e com isso teve a oportunidade de mudar a sua vida, bem como sensibilizar a população para a importância do microcrédito no combate ao desemprego e à exclusão social e financeira.

Em 17 anos de atividade, a ANDC já creditou até à data 2.071 novos projetos o que corresponde a um montante de crédito concedido de 13.310.012,28€. Com estes novos projetos foi possível criar cerca de 2.286 novos postos de trabalho. Se as contas forem referentes à última década, a ANDC ajudou a criar uma média de 157 micro negócios por ano.

“Os estudos de avaliação promovidos pela ANDC comprovam que o microcrédito é um instrumento eficaz de inclusão social e altamente eficiente, numa perspetiva social e de política pública, no apoio ao empreendedorismo”, revela o Presidente da ANDC António José Mendes Baptista. Para este responsável, este mecanismo financeiro “tem ainda potencial de ajudar ainda mais pessoas”.

O ano de 2015 é marcado pelo equilíbrio da atividade comparativamente ao ano de 2014. Até outubro de 2015, foram recebidas 1.565 novas candidaturas, que resultaram em 130 projetos creditados, aos quais corresponde o montante de crédito aproximado de 1.285.081€.

As três áreas onde se verifica o maior número de projetos creditados são o comércio por grosso e a retalho, reparação de veículos automóveis e motociclos (35,38%); seguido do alojamento, restauração e similares (19,23%).

Se a análise for geográfica, verifica-se que o Norte do país é a zona com o maior número de novos microempresários (41%), seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo (23%), Centro (18%), Algarve (15%) e Alentejo (3%).

Em 2015, os créditos foram atribuídos na sua grande maioria a empreendedores entre os 31-40 anos (42%), seguindo a faixa etária dos 41-50 anos (28%), <30 anos (22%) e por último >50 anos (8%); com habilitações literárias ao nível do 12º ano (36%), 3º clico ou ensino básico (21%), Licenciatura (19%), 2º ciclo do ensino básico (6%), 11º ano (5%), Curso tecnológico/profissional (5%), Bacharelato (3%), 1º ciclo do ensino básico (2%), Mestrado (1%), Pós-graduação (1%).

“A procura por microcrédito tem vindo a aumentar nos últimos anos e há cada vez mais empreendedores a considerar a modalidade microcrédito para iniciarem o seu negócio, contudo ainda temos um longo caminho pela frente, pois ainda existe um grande desconhecimento das soluções de microcrédito por parte dos mais desfavorecidos, que a ANDC tem vindo a combater ao longo destes 17 anos.” acrescenta António José Mendes Baptista, Presidente da ANDC.

A ANDC procura fazer a diferença acolhendo os portadores das ideias e trabalhando com eles, através dos seus técnicos de microcrédito, as condições da sua viabilização. Muitas vezes o problema não está apenas no crédito, mas no trabalho necessário para desenvolver a ideia, e por isso os técnicos ANDC ajudam as pessoas em situação de necessidade e muitas vezes desiludidas e “perdidas” voltem a acreditar nas suas capacidades e arrisquem na criação de um micro-negócio.

Para assinalar este dia, a ANDC vai organizar um ciclo de conferências das quais se destaca a conferência “Passa o futuro pelo microempreendedorismo?”, com intervenção de Joana Afonso, Universidade de Portsmouth, especialista em Microfinança, no dia 6 de novembro, às 16h, no Auditório Atmosfera M, em Lisboa. O programa completo poderá ser consultado no documento em anexo.

Este ano, o Dia do Microempresário desafia novamente o público a olhar para a rua onde mora e a descobrir os micro-negócios, propondo que comprem localmente e que deem atenção ao comércio de proximidade. Durante o dia 7 de novembro, pretende-se que todas as pessoas visitem os microempresários que terão os seus negócios abertos durante este dia, identificados com uma bandeira na montra ou na entrada relativa à ANDC.

Foram elaborados vários percursos que cruzam alguns negócios nas zonas de Lisboa, Porto, Trás-os-Montes, Algarve, Guarda e Aveiro que podem ser consultados no site da ANDC aqui: http://www.microcredito.com.pt/microempresarios/percursos-micronegocios/rotas-e-percursos/52


Patricia Fonseca

Patricia Fonseca

Viciada em tecnologia, entrou para a equipa em 2012 e é responsável pela Leak Business, função que acumula com a de editora da Leak. Não dispensa o telemóvel nem o iPod e não consegue ficar sem experimentar nenhum dispositivo tecnológico.

Notícias Relacionadas

NEC desenvolve bateria de alta tensão e longa duração

A NEC Corporation desenvolveu um protótipo de bateria de iões de lítio e manganésio de próxima geração que inclui cátodos que suportam operações de alta tensão e uma

Estudo Ricoh: Colisão ou colaboração com a entrada da Geração Z no mercado de trabalho?

De acordo com um recente estudo patrocinado pela Ricoh, mais de metade dos colaboradores (52%) afirmam que as respetivas entidades empregadoras não conseguem ir ao encontro das necessidades

Estudo da IBM revela vantagens das soluções de SaaS

Segundo um estudo IBM, mais de metade das empresas que utilizam soluções de Software-as-a-Service (SaaS) estão a conseguir acrescentar vantagens competitivas ao seu negócio, muito para além da

Indra ganha contrato de 57 M€ na Argélia

A L’Algerienne de Gestion des Autoroutes (AGA), organização responsável pela administração, operação, manutenção e serviço da rede nacional de autoestradas da Argélia, adjudicou a um consórcio, liderado pela

Dê a sua opinião:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *