IBM testa solução que evita interrupções nas comunicações durante um desastre natural

9416
0
Share:

A IBM e o Instituto Marist de Nova Iorque, nos Estados Unidos, testam uma nova inovação na área de cloud computing que promete ajudar a prevenir o corte das comunicações dos serviços de voz e dados causados ​​por furacões e outros desastres naturais.

Quando um grande evento meteorológico ocorre, os operadores de telecomunicações podem ter apenas algumas horas, ou até menos, para proteger os sistemas críticos de comunicação, mas o processo de migração de aplicações e serviços de voz e de dados para uma localização segura, num processo chamado refornecimento, pode levar dias. Esta nova descoberta da IBM na área de cloud pode vir a reduzir o tempo de dias para minutos – evitando graves e dispendiosas interrupções da rede.

“Há um ano, o furacão Dandy deixou milhões de cidadãos e empresas sem acesso a comunicações eletrónicas durante dias, semanas e até meses – em alguns casos, os centros de dados ficaram literalmente debaixo de água”, lembrou o CTO de System Networking Strategic Alliances da IBM, Casimer DeCusatis. “Com esta invenção, um operador de um centro de dados poderá simples e rapidamente migrar os dados e aplicações para outro centro de dados fora da zona de perigo em minutos, mesmo a partir de um local remoto, usando apenas um tablet ou um smartphone”.

Esta descoberta da IBM usa tecnologia SDN (software defined networking) e está a ser testada nos laboratórios do Instituto Marist. A tecnologia SDN permite que os operadores dos centros de dados controlem de forma mais eficiente o fluxo de dados nas redes físicas e virtuais, e que seja possível aceder e fazer alterações remotamente aos recursos de rede, através de um dispositivo sem fios e um controlador de rede open source desenvolvido pelo Instituto.

Esta solução baseada na cloud pode reduzir significativamente ou até eliminar por completo a perda de serviços e dados durante um desastre natural ou outro tipo de evento. Esta inovação está de momento a ser testada e mostrada a clientes e espera-se que esteja disponível comercialmente em 2014.


Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário