Connect with us

Leak Business

Nem os Estados Unidos travam a Huawei. Saiba porquê.

Bruno Fonseca

Publicado a

Em 2017, a Huawei começou a perseguir de perto a Samsung e da Apple. Durante um determinado momento, conseguiu ultrapassar a Apple para se tornar no segundo maior fabricante de telefones do mundo. O grande alvo para 2018 eram os EUA, no entanto a política dificultou o caminho. Será isto que vai parar este fabricante? De modo algum.

Forte presença a nível global

A Huawei já não é um nome estranho para os consumidores. Nos últimos cinco anos, a empresa conquistou rapidamente o mercado doméstico na China e estabeleceu-se como um fabricante de renome mundial. Na realidade, são muito poucos os mercados onde esta empresa não possui uma forte presença, dos quais os EUA são o mais relevante. 2017 foi o ano de ouro para a Huawei. Ganhou participação de mercado, especialmente durante o verão, quando vendeu mais smartphones do que a Apple pela primeira vez.

Com um forte investimento em marketing, a Huawei cimentou a sua presença no mercado, tanto nos mercados em desenvolvimento como no Ocidente e apesar do crescimento real das receitas ter diminuído, a empresa enviou para o mercado 153 milhões de smartphones em 2017.

A empresa continua a apostar em todos os segmentos com produtos fortes, como o poderoso Mate 10 Pro que está especialmente dirigido a quem não dispensa os topos de gama. No entanto, as gamas pequena e média não ficam esquecidas e para além das versões Lite não nos podemos esquecer que a Huawei possui a Honor que deu a este fabricante uma forte presença em mercados de rápido crescimento na Ásia e na África.

Uma linha própria de processadores

Em paralelo, o investimento de longa data da Huawei na investigação e desenvolvimento também deu os seus frutos em 2017. Um exemplo disso, é a linha de processadores Kirin que consegue competir lado a lado com a Qualcomm e a Samsung, e em alguns casos até ficar à frente. O Kirin 970, que alimenta o Mate 10 Pro, possui a funcionalidade de IA, que deverá chegar aos outros apenas na segunda metade de 2018. Em paralelo, a Huawei parece ter muito a ganhar com a adoção do 5G em 2019-2021, graças às suas fortes contribuições para este standard.

A luta no mercado americano

A CES 2018 poderia ter sido uma conquista brilhante para Richard Yu. Após anos de preparação, o CEO da Huawei estava pronto para anunciar a grande entrada nos EUA através de uma parceria com a AT&T. No entanto as questões políticas entrarem em cena e a AT&T afastou-se do negócio. Foi nessa altura que Yu aproveitou o palco em Las Vegas para explicar o que tinha acontecido. encontrou-se no palco em Las Vegas lutando para explicar o que tinha acontecido.

Foi sem dúvida um dos momentos de maior destaque na CES. Sem qualquer tipo de teleponto, Richard Yu admitiu que o acordo cancelado com a AT&T foi uma grande perda para a Huawei. No entanto os consumidores americanos também ficaram prejudicados, pois perderam um equipamento muito interessante na sua gama de escolhas.

Depois chegaram outras más notícias: os legisladores nos EUA pressionaram as operadoras para deixarem de trabalhar com a Huawei, bloqueando de forma eficaz a presença desta empresa no mercado norte-americano. Passou cerca de uma semana, desde que a Bloomberg noticiou que a Verizon também se tinha afastado  de um acordo com a Huawei devido à pressões políticas.

O motivo pelo qual as operadoras dos EUA não quiseram vender um dos melhores equipamentos do mundo é complexo. No entanto significa que em 2018 a Huawei vei ter de encontrar novas fontes de crescimento.

Novas formas de crescimento

Apesar do contratempo nos EUA, a Huawei pode continuar a ser competitiva a nível mundial. É verdade que os Estados Unidos representam o maior mercado mundial de smartphones premium. No entanto é nos países em desenvolvimento que o crescimento real está presente. Para além disso nesses países não existirão quaisquer jogadas políticas para bloquearem este fabricante.

O mercado móvel nunca foi tão competitivo, mas a Huawei está habituada à pressão. Os seus produtos conquistaram todos os segmentos (da pequena e gama média aos topos de gama) em cinco anos, graças a um excelente equilíbrio entre qualidade e preço. Nada disso vai mudar em 2018, com o nascimento dos equipamentos da gama P20 e Mate 20, bem como a nova linha Honor.

A não entrada nos Estados Unidos significa que a Huawei vai duplicar os esforços onde puder operar, utilizando muitos dos fundos que teria investido no mercado americano. Lembramos que a empresa havia preparado cerca de 100 milhões de dólares para o lançamento da AT&T, sendo que esse dinheiro será utilizado nos mercados Europeu e Asiático, aumentando a pressão sobre os rivais.

Fundador da Leak, estreou-se no online em 1999 quando criou a CDRW.co.pt. Deu os primeiros passos no mundo da tecnologia com o Spectrum 48K e nunca mais largou os computadores. É viciado em telemóveis, tablets e gadgets.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Últimas Notícias

Notícias1 dia atrás

QNAP lança novas placas PCIe QM2 para NAS

A QNAP expandiu o catálogo das placas de expansão PCIe QM2 com novos modelos que suportam até quatro ranhuras para SSDs M.2....

Notícias1 dia atrás

Altran quer atrair engenheiros de software internacionais para Portugal

A Altran lança a campanha “ROAD TO PORTUGAL” com o objectivo de atrair e contratar profissionais estrangeiros, como resposta à...

Notícias2 dias atrás

Fujitsu e IDC desenvolvem plataforma digital gratuita de avaliação da maturidade da Hybrid Cloud

A IDC Portugal e a Fujitsu anunciaram a disponibilidade no mercado nacional do Hybrid Cloud Management MaturityScape. Esta ‘framework’, desenvolvida...

Eventos4 dias atrás

Landing.jobs vai reunir as melhores empresas de tecnologia

No dia 7 de Junho, às 19h, vai decorrer no Porto, o Landing.Porto, um evento organizado pela Landing.jobs, que vai...

Notícias4 dias atrás

HMD Global angaria 100 milhões de dólares rumo ao crescimento

A HMD Global angariou 100 milhões de dólares de vários investidores para ampliar as suas operações comerciais e financiar o...

Notícias4 dias atrás

Mastercard quer impulsionar o crescimento das fintechs

A Mastercard anunciou um reforço do investimento na Europa com o lançamento da Accelerate, uma nova iniciativa destinada a impulsionar...

Startups4 dias atrás

Startup FINIAM quer mudar a relação entre clientes e os bancos

A FINIAM foi a entidade escolhida pela Payshop para criar uma nova dimensão nesta marca prestadora de serviços de pagamento....

Especiais4 dias atrás

Inteligência Artificial não está de boa saúde na Europa

As enormes vantagens da Inteligência Artificial (IA) para as empresas estão a ser travadas na Europa por uma falta de...