19109 0

Grande Consumo – Indústria mostra sinais de boa saúde

De acordo com o sexto relatório anual 2013 Global Powers of Consumer Products, divulgado pela Deloitte Touche Tohmatsu Limited, e apesar das incertezas na economia mundial, as 250 maiores empresas de produtos de consumo cresceram 7 por cento em 2011 (ano fiscal terminado em Junho de 2012), com um total de vendas a exceder os 3 biliões de dólares, valor acima dos 2,82 biliões de dólares registados em 2010. Adicionalmente, o relatório revela que as dez maiores empresas registaram um valor de vendas agregadas de 846 mil milhões de dólares.

“A economia mundial testemunhou diversos desafios, incluindo a inflação, a crise do Euro e desastres naturais. Um saudável volume de vendas de produtos de consumo é um indicador de que a economia global poderá estar, com precaução, a recuperar”, destaca Dr. Ira Kalish, Director de Consumer Business da Deloitte nos Estados Unidos. “Isto significa que, nos próximos anos, a indústria deverá assistir a um sólido crescimento, proveniente em grande parte dos mercados emergentes”.

Resultados Regionais

O 2013 Global Powers of Consumer Products analisa também as taxas de crescimento anuais, a nível regional, com as empresas da região da África/Médio Oriente a registarem os maiores ganhos (24 por cento de crescimento), seguindo-se a América Latina (16 por cento), a América do Norte (14 por cento), Europa (4 por cento) e Ásia/Pacífico (2 por cento). Contudo, no continente europeu, as empresas francesas, com um crescimento anual de 15 por cento, ultrapassaram as suas congéneres alemãs (6 por cento) e britânicas (6 por cento). Na região da América do Norte, foi registada a maior margem de lucro líquido (10 por cento).

Na região Ásia/Pacífico, as vendas das empresas japonesas decresceram 4 por cento, sobretudo devido aos efeitos prolongados do terramoto e tsunami. No entanto, excluindo o Japão, a média de crescimento anual nesta região foi de 10 por cento, com a China/Hong Kong a registarem o maior aumento (24 por cento).

Pela primeira vez, o 2013 Global Powers of Consumer Products analisou também o crescimento das empresas num período de cinco anos (entre 2006 e 2011), resultando em diferentes valores por região. A América Latina registou a maior taxa de crescimento (22 por cento), seguida da África/Médio Oriente (10 por cento), Europa (6 por cento), América do Norte (6 por cento) e Ásia/Pacífico (5 por cento).

Empresas de produtos electrónicos no topo da lista

Também, pela primeira vez, os três primeiros lugares foram ocupados por empresas do sector de tecnologia e electrónica. A Samsung ocupa, pelo quinto ano consecutivo, o primeiro lugar, seguida da Apple Inc., que subiu 21 lugares em cinco anos, para atingir a segunda posição. A Panasonic Corporation permanece em terceiro lugar.

Pelo segundo ano consecutivo, a indústria da moda registou a maior taxa de crescimento (14 por cento) entre todos os sectores de produtos analisados. Foi, ainda, uma das mais rentáveis, com uma margem de lucro líquido de 8 por cento. Por outro lado, o sector de alimentos, bebidas e tabaco viu decrescer a sua representação no Top 250. No entanto, este sector registou um substancial crescimento de vendas de 9 por cento.

Mercados emergentes continuam a contribuir para as Fastest 50

As 50 empresas com o crescimento mais rápido cresceram três vezes mais depressa que o Top 250 no seu todo. Pela primeira vez, as Fastest 50 foram também determinadas de acordo com o crescimento ao longo de cinco anos (2006 a 2011). Cerca de 60 por cento das Fastest 50 estiveram também, neste período, entre as 50 empresas com crescimento mais rápido em 2011, com a China e o Brasil a estarem bem representados.

Comportamento do consumidor

O 2013 Global Powers of Consumer Products analisou, igualmente, as tendências de comportamento do consumidor, especialmente à luz do crescimento do sector digital. Com o aumento do uso de smartphones e tablets, o impacto sobre os consumidores e o processo de compra tem sido evidente. A pesquisa da Deloitte detectou que 58 por cento dos consumidores com smartphones já os utilizaram no processo de compra.

“O impacto deste crescimento digital no comportamento dos consumidores e compradores não pode ser subestimado. Afecta a forma como interagem com as marcas, procuram produtos, compram através de vários canais, aproveitam promoções e como interagem com os serviços pós-venda”, esclarece Jack Ringquist, responsável de Consumer Products, da Deloitte. “A indústria deve continuar a repensar os seus modelos de operação e de análise para melhor identificar, compreender e satisfazer as necessidades dos consumidores.”


Patricia Fonseca

Patricia Fonseca

Viciada em tecnologia, entrou para a equipa em 2012 e é responsável pela Leak Business, função que acumula com a de editora da Leak. Não dispensa o telemóvel nem o iPod e não consegue ficar sem experimentar nenhum dispositivo tecnológico.

Notícias Relacionadas

SAFIRA lança Academia

Chama-se SAFIRA Academy e funciona como uma unidade de negócio autónoma da SAFIRA que tem como objetivo potenciar o valor dos ativos da empresa, sejam eles recursos humanos, produtos e soluções

Estudo Kaspersky Lab: Smartphones distraem-nos e tornam-nos menos eficientes no trabalho

Apesar dos smartphones nos permitirem ter contacto permanente com os nossos colegas, a caixa de correio sempre atualizada e uma facilidade na resolução de problemas urgentes, acabam, de

Check Point reporta resultados do ano fiscal de 2012

A Check Point Software anunciou os resultados financeiros do quarto trimestre, bem como do seu ano fiscal concluído no passado 31 de Dezembro de 2012. “Ao longo de 2012,

Desktops empresariais ASUSPRO alcançam níveis de fiabilidade líderes na indústria

A ASUS anuncia que a sua ASUSPRO B-Series de PCs comerciais (que inclui a BM Series, a BP Series e a BT Series) foi certificada pelo National Computer

Dê a sua opinião:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *