Entrevista: Joe Haslam, Presidente Executivo da Hot Hotels

20944
0
Share:

A Hot Hotels oferece a possibilidade de se realizar reservas semanais no mesmo hotel através de dispositivos móveis em 54 países e 320 cidades na Europa, África, Médio Oriente, América Latina, América do Norte, Ásia e Pacífico, sendo que em Agosto de 2014, esta empresa angariou 1 milhão de euros de investimento privado, liderado pela Axon Partners Group, juntamente com outros Business Angels (investidores). A Leak Business esteve à conversa com Joe Haslam, Presidente Executivo da Hot Hotels, que nos explicou como tudo funciona e também nos revelou algumas regras de sucesso para startups e empreendedores.

Patrícia Fonseca – O que é a Hot Hotels?

Joe Haslam – A Hot Hotels é uma aplicação para smartphones que permite fazer reservas de última hora em hotéis, a preços reduzidos. Os utilizadores podem reservar com uma antecedência de 7 dias, beneficiando das melhores tarifas disponíveis para o último dia e de forma rápida e fácil. Uma vez que a nossa companhia se dirige exclusivamente aos utilizadores de dispositivos móveis, os nossos preços não estão disponíveis na internet sendo, por isso, mais competitivos.

P.F. – Em Portugal, temos assistido a um boom de aplicações e serviços relacionados com a hotelaria, muitos deles de cariz internacional. O que distingue a Hot Hotels?

J.H. – Desenvolvemos a Hot Hotels porque as soluções oferecidas pelas grandes empresas do setor eram pouco eficientes. Três anos mais tarde, a situação não é muito melhor. Os “big players” do mercado continuam a desenhar primeiro para internet e só depois para telemóveis. A nossa aplicação está desenhada exclusivamente para smartphones, sendo fácil de utilizar e bastante intuitiva. É tão fácil reservar um quarto de hotel como enviar um sms

joe-haslam2P.F. –Como é que uma start-up de pequenas dimensões se converteu na maior aplicação europeia de reserva de hotéis de última hora para smartphones?

J.H. – Os smartphones permitem-nos ter um alcance muito mais elevado do que qualquer PC alguma vez conseguiu. Os telemóveis são mais pessoais, levamo-los connosco para todos os sítios, para além de que têm outras utilidades que os tornam cada vez mais indispensáveis. A nossa aposta neste setor partiu daqui. Por outro lado, as taxas de ocupação de hotéis sempre estiveram muito abaixo dos valores desejados e com os smartphones podemos, pela primeira vez, conciliar oferta e procura no setor hoteleiro. “Small can be beautiful”. Atualmente, temos o mesmo número de pessoas nos nossos escritórios que tinha Instagram quando vendeu a companhia ao Facebook por mais de um bilião de dólares.

P.F. – Conhecia bem esta indústria?

J.H. – A minha experiência anterior é mais técnica. Eu iniciei a minha carreira como programador informático em entidades bancárias em Dublin e Londres. No entanto, Conor O’Connor, CEO de Hot Hotels, é um profissional com bastante experiência e prestígio no setor hoteleiro. Ele fundou e vendeu com êxito várias companhias, entre as quais se destaca a venda da hoteles.es à Schibsted.

P.F. – Como mentor de start-ups numa das escolas de negócios de maior prestígio do mundo que conselho daria a alguém que pretende criar a sua própria empresa?

J.H. – As escolas de negócios são ótimas para ensinar a desenvolver um negócio na teoria mas, na prática, são necessárias aptidões muito distintas. Um dos fatores mais importantes é o ecossistema. É fundamental estar em estreito contacto com outras start-ups, tanto pelo suporte emocional como pelos conselhos práticos que possam partilhar.
Portugal tem a sorte de ter dois excelentes exemplos: o Lisbon Challenge, acelerador de startups, e a incubadora de empresas StartUp Lisboa. Eu tive oportunidade de visitar ambos e comprovar que estão no bom caminho e a tomar as decisões corretas.
Na recente entrega de prémios da Web Summit, em Dublin, a companhia premiada com o galardão de melhor startup do ano foi a portuguesa @Codacy. Não é necessário estar em Silicon Valley para criar bons negócios.

P.F. – Programas televisivos como o Dragons’ den ou o Shark Tank são a salvação dos empreendedores, ou existem outra alternativas?

J.H. – Estes programas são terríveis. Eu fui convidado para ser um dos “Dragons” e também para fazer a apresentação de uma nova companhia. Os empreendedores deveriam ser as estrelas, os grandes protagonistas destes programas. Em vez disso, são tratados como crianças. Gostaria de ver alguns políticos colocados diante dos Drangons para que explicassem o que estão a fazer para ajudar as pequenas empresas a prosperar e criar emprego.

P.F. –É mais difícil ser-se empreendedor ou investidor?

J.H. – Sem empreendedores, nada acontece. Os investidores são importantes mas não essenciais. A melhor fonte de receitas para qualquer companhia são os clientes, não os investidores.

P.F. –Que importância tem para a Hot Hotels o mercado português?

J.H. – Apesar de ainda não termos escritórios em Portugal, é um dos nossos cinco mercados principais. Já muitos turistas utilizam a nossa aplicação mas o nosso desafio é conseguir que mais pessoas a utilizem em Portugal. Por outro lado, eu nasci na costa ocidental irlandesa, junto ao oceano Atlântico e, como tal, adoro vir a Portugal. Desde que vivo em Madrid, sinto verdadeiramente a falta do mar.

P.F. – De que modo a mobilidade está a influenciar o sector hoteleiro em Portugal?

J.H. – A mobilidade é extremamente positiva para o setor hoteleiro, que foi relativamente lento a adaptar-se aos novos desafios da internet e permitiu que fossem os seus intermediários a ganhar muito dinheiro por esta via. Os smartphones são a oportunidade para contra-atacar e compensar os desequilíbrios entre a procura e a oferta. Durante os últimos 50 anos, as taxas de ocupação hoteleira rondavam os 60%. A nossa aposta é conseguir elevar estes valores para uma taxa de ocupação superior aos 80%. Através da Hot Hotels, apresentamos uma nova alternativa para que os hotéis possam reservar os quartos que, de outro modo, permaneceriam vazios. Para ver como funciona, pode fazer o donwload gratuito da nossa aplicação através do link http://hot.com.pt/


Share:

Deixe o seu comentário