Como as TIC vão alterar a vida profissional da próxima geração

12232
0
Share:

A vida profissional está a mudar para milhares de pessoas em todo o mundo. As tecnologias móveis e digitais estão a expandir-se cada vez mais nas diversas áreas da sociedade, nos negócios e na vida pessoal, alterando a forma como trabalhamos e como o trabalho é organizado. Á medida que as pessoas se vão tornando mais móveis, estas esperam ter maior flexibilidade no seu trabalho, colocando uma maior exigência no seu ambiente laboral.

No relatório “Next-generation working life”, o Ericsson Networked Society Lab explorou estas mudanças e percebeu quais as tendências mais relevantes. É essencial compreendermos e nos adaptarmos às alterações que estão a ocorrer. Mas quais são os principais desafios que as organizações precisam de enfrentar, e quais são os benefícios? E como é que se é bem- sucedido neste novo jogo?

Mikael Eriksson Björling, Expert Consumer Behavior do ConsumerLab da Ericsson diz: “Cada época histórica tem a sua principal fonte de actividade para criação de valor. Durante o período de ‘caça e colheita’, por exemplo, isto envolvia procurar alimentos, fazer fogo e criar peças de vestuário. Hoje em dia, os novos comportamentos e as tecnologias emergentes estão a mudar a forma como o trabalho é organizado. Acreditamos que as TIC serão um dos principais motores desta mudança e para nós, enquanto empresa, é importante ver as oportunidades e fazer parte desta transformação.”

As oito tendências identificadas no estudo são as seguintes:

1. Procura de Significado – O foco deixa de ser apenas a remuneração, os benefícios ou cargo, passando a ser cada vez mais importante contribuir para a sociedade. Desempenhar um papel significativo é considerado essencial.

2. De Tarefas a Missões – a mudança para o foco na criação de valor marca uma alteração significativa na vida profissional. Quer os empregadores, quer os colaboradores concentram-se cada vez mais na criação de valor e resultados finais, em vez de onde, quando e de que forma o trabalho é feito.

3. Gravitação Cultural – As pessoas tendem a procurar empresas com um sentido de comunidade e cultura interna com a qual se possam identificar.

4. Flexibilidade Bi-lateral – Flexibilidade no horário de trabalho em conjunto com a conectividade constante. As pessoas esperam agora ter flexibilidade nos seus próprios termos.

5. Do-Ocracy – As pessoas assumem maiores responsabilidades individuais para resolver problemas e alcançar metas.

6. O Poder da Serendipidade – As empresas “planeiam” encontros aleatórios entre pessoas com diferentes backgrounds e competências para fomentar ideias inovadoras.

7. O Local de Intercâmbio – Há uma transição de controlar os colaboradores no local de trabalho para garantir que o intercâmbio é significativo e gratificante. O ambiente laboral deve ser projectado em primeira instância para optimizar a qualidade do intercâmbio interpessoal.

8. Consumerização – As pessoas querem que o seu ambiente de trabalho seja ajustado às suas necessidades individuais, com as preferências e experiências da esfera privada a serem aplicadas no trabalho.


Share:

Deixe o seu comentário