Cisco lança Network Convergence System para impulsionar a “Internet of Everything”

10208
0
Share:

A Cisco apresentou hoje a família de produtos Cisco Network Convergence System (NCS), pensada para ser o alicerce de uma Internet mais escalável, inteligente e adaptável. Com o crescimento rápido do tráfego de Internet, a par da nova onda de aplicações cloud, móveis, de vídeo e máquina-a-máquina, alguns fornecedores de serviço – incluindo a BSkyB, a KDDI e a Telstra – estão a implementar o Cisco NCS com o objectivo de responder à procura de experiências de Internet mais ricas por parte dos seus clientes.

A família de produtos NCS é o primeiro sistema de convergência de alta performance do mercado“Carrier Grade”, tendo sido concebido para virtualizar serviços de telecomunicações, simplificar operações e consolidar infra-estruturas, de modo a melhorar a rentabilidade dos operadores e a experiência dos clientes. O Cisco NCS consegue tudo isto graças ao altos indicadores de performance, líder no mercado, e às suas capacidades avançadas de virtualização, que permitem utilizar Network Function Virtualization (NfV) distribuída e uma arquitectura ”Fabric Elastic Core” e totalmente convergente. Deste modo, os operadores podem ajustar rapidamente a rede a funcionalidades das aplicações em toda a extensão da plataforma, do Core ao Data Center, sem impacto nos serviços e nas aplicações. Estas capacidades são cruciais, sobretudo numa altura em que os operadores se esforçam para acompanhar, não apenas o crescimento massivo da largura de banda, uma grande exigência de vídeo, dos serviços cloud e do aumento do tráfego móvel, mas também os biliões de eventos previstos para acontecer online como resultado dos dispositivos e objectos ligados e programáveis, algo conhecido como Internet of Everything (IoE).

Por ser implementado enquanto parte da arquitectura Cisco ONE , a família Cisco NCS ajuda os Operadores a reduzir o Total Cost of Ownership em 45 por cento e o consumo energético em 60 por cento. Como valor de referência, o NCS, que consegue transportar toda a biblioteca de conteúdos do Netflix em menos de um segundo numa plataforma multi-chassis, integra os seguintes avanços tecnológicos:

O NCS integra o recentemente anunciado processador de rede Cisco nPower X1 , que permite novos níveis de desempenho e largura de banda, tem uma nPU programável e capacidades avançadas de gestão de memória compatíveis com a nova era IoE. Estas características permitem aos operadores de telecomunicações personalizar a sua oferta, de forma quase infinita e para virtualmente qualquer instância, e optimizar a gestão de centenas de milhões de transacções por segundo. O processador nPower X1 tem o primeiro desempenho de 400 Gigabits por segundo (Gbps) num só chip do mundo, o que possibilita performances e densidades na ordem dos multi-terabits. Todo o processamento de pacotes, gestão de tráfego e funções de input/output estão integrados num só chip. O simples poder de processamento bruto do chip nPower permite gerir biliões de eventos gerados por dispositivos e objectos nas redes. Com 4 mil milhões de transístores num só chip, o nPower X1 permite fazer implementações com um nível de desempenho, funcionalidade, programabilidade e escala sem precedentes.

O Cisco NCS faz a convergência entre redes ópticas e redes IP, ao mesmo tempo que se integra perfeitamente com o Cisco Unified Computing System (UCS) e as capacidades Dynamic Fabric Automation suportadas pelas inovações Cisco no data center. Esta capacidade de convergência permite ao NCS funcionar como um “sistema nervoso central” flexível para a EPN – Evolved Programmable Network da Cisco, capaz de mudar e redireccionar recursos ópticos, do data center, do núcleo, espontaneamente e em tempo real. Deste modo, os operadores podem aumentar a velocidade de disponibilização de serviços, ao mesmo tempo que reduzem a complexidade e os custos operacionais.

Em paralelo, a Cisco introduz capacidades de convergência de rede no Cisco NCS que permitem aos operadores simplificar e optimizar funções de rede. Começando pela convergência de acesso de nível 3, funções Edge e Core, o NCS incorpora a tecnologia de controlo Multi-Layer Cisco nLight para criar funções sobrepostas que façam a convergência das layers óptica e IP em toda a rede fabric. Esta capacidade possibilita novos níveis de visibilidade e integração entre redes outrora divididas.

Usando o Cisco Prime e o Cisco Quantum em conjunto com as capacidades de virtualização do NCS – elementar, de sistema e ao nível da arquitectura – é possível orquestrar serviços e recursos em diversos elementos físicos, virtuais e geográficos, como se estes fossem parte de um único sistema unificado. As funcionalidades avançadas de virtualização do sistema permitem aos operadores “esticar” e “encolher” tanto a rede como os recursos computacionais, tirando partido de configurações multi-chassis que podem ser geridas com uma só entidade. Se a escalabilidade máxima do sistema for excedida em determinado ponto da rede, o NCS transfere funções de controlo para servidores UCS no data center, criando escalas de controlo virtualmente ilimitadas por aproveitar a capacidade de processamento de servidores blade de topo na sua classe. Os operadores podem fazer escalas e mudar a função dos componentes das suas infra-estruturas rapidamente para responder às necessidades dos serviços IoE dinâmicos. Além disso, a virtualização da arquitectura permite à NCS utilizar as capacidades da Network Function Virtualization (NFV) distribuída, nLight, nV e UCS para permitir o cruzamento automatizado de funções e a colocação de serviços virtualmente em qualquer lado onde sejam necessários.

Untitled16-550x288

 “Estamos a assistir ao nascimento de uma nova era de telecomunicações, em que as redes Internet estão a evoluir de modo a suportar biliões de ligações entre pessoas, processos, dados e objectos, incluindo dispositivos inteligentes e programáveis como telefones, tablets, televisores e muito mais. O Cisco NCS foi concebido com a programabilidade, inteligência e escalabilidade necessárias para responder às exigências da Internet of Everything, na próxima década e daí em diante. O NCS oferece uma rede programável evoluída que vai permitir aos operadores gerar novas fontes de receita e modelos de negócio, ao mesmo tempo que oferece novas experiências aos seus clientes, concluiu Surya Panditi, vice-presidente sénior e director-geral do Service Provider Group da Cisco.

A família Cisco NCS é composta por três elementos principais, que podem ser geridos como um só sistema integrado para maior agilidade e simplificação:

  • NCS 6000, disponível a partir de hoje, é o primeiro Router com uma capacidade de raiz de 1Tb/slot e 1,2 Pbps por sistema. Suporta routing IP/MPLS, bem como configurações single, back-to-back e multi-chassis.
  • NCS 4000, disponível na primeira metade de 2014. Suporta 400 Gbps por slot e 6,4 Terabits por sistema e está disponível em configurações single, back-to-back e multi-chassis. Suporta também aplicações OTN + WDM + SONET + Ethernet e configurações multi-chassis.
  • NCS 2000, disponível a partir de hoje, liga redes de transporte DWDM a velocidades de 100 Gbps ou superiores e suporta a configuração dinâmica de rede com capacidades ROADM de próxima geração de 96-canais.

Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário