Cisco Annual Security Report: Ameaças Saem da Sombra

10472
0
Share:

A Cisco divulgou os resultados de dois estudos globais que mostram uma imagem nítida dos crescentes desafios de segurança que empresas, departamentos de TI e utilizadores enfrentam, sobretudo à medida que os profissionais se tornam mais móveis, misturando assuntos de trabalho com vida pessoal durante o período laboral.

Apesar da ideia comum de que os riscos de segurança aumentam à medida que a actividade online de um indivíduo se torna mais dúbia, dados revelados pelo 2013 Annual Security Report (ASR) da Cisco mostram que a maior concentração de ameaças online não está relacionada com sites de pornografia, venda de fármacos ou de jogo, ainda que estes sejam destinos legítimos com grandes audiências. A maior concentração de ameaças está associada aos principais motores de busca, sites de retalho e de redes sociais. Na verdade, a Cisco descobriu que os sites de compras online têm 21 vezes mais probabilidade, e os motores de busca mais 27 vezes, de distribuir conteúdo malicioso do que um site de software pirateado. Costuma ver publicidade online? Então saiba que é 182 vezes mais provável receber conteúdo malicioso destes anúncios do que se estiver a ver pornografia.

No que toca às empresas, os riscos de segurança aumentam, sobretudo porque muitos funcionários adoptam uma postura de trabalho “à sua maneira” em matéria de dispositivos, rotinas e comportamento online, misturando trabalho com vida pessoal virtualmente em qualquer lugar – no escritório, em casa e em todos os outros locais em que se encontrem. As implicações desta tendência de “personalização” na segurança empresarial são agravadas por uma outra descoberta importante do estudo Cisco Connected World Technology Report (CCWTR), que dá a conhecer as atitudes da próxima geração mundial de profissionais, a Geração Y. De acordo com o estudo, a maioria dos trabalhadores da Geração Y acredita que a era da privacidade acabou (91%), mas um terço diz não estar preocupado com a informação que é reunida e armazenada sobre cada um. Mostram-se dispostos a sacrificar informação pessoal em prol da socialização online. Na verdade, um número maior de indivíduos da Geração Y em todo o mundo disse sentir-se mais confortável a partilhar informação pessoal com sites de compras online do que com os departamentos de TI das suas empresas – departamentos esses que são pagos para proteger a identidade e os dispositivos dos seus empregados.

À medida que, a cada ano que passa, mais indivíduos da Geração Y terminam a sua formação superior e entram no mercado de trabalho em maior número, a cultura e a política das empresas é posta à prova, pois os jovens profissionais têm a expectativa de liberdade em matéria de redes sociais e escolha de dispositivos, esperando manter um estilo de vida móvel que as gerações anteriores nunca exigiram aos seus empregadores. De acordo com o capítulo um do estudo Connected World Technology Report publicado em Dezembro, a Geração Y está constantemente a verificar actualizações nas redes sociais, email e mensagens de texto, seja na cama (3 em cada 4 inquiridos em todo o mundo dizem fazê-lo), à mesa de refeição (quase metade dos inquiridos), na casa de banho (1 em 3) ou quando a conduzir (1 em cada 5). Este estilo de vida está a introduzir-se nas organizações em números cada vez maiores, dando uma visão clara de como será o ambiente de trabalho do futuro e de como as empresas devem competir para cativar a nova geração de talentos que aí vem. Infelizmente, o que os estudos sobre segurança também revelam é que o estilo de vida da nova geração de profissionais traz também desafios de segurança que nunca as empresas tiveram de enfrentar a esta escala.

Principais Descobertas

Malware Android

  • O malware Android cresceu 2577% no decurso de 2012. (ASR)
  • Contudo, o malware móvel representa apenas 0,5% de todo o malware detectado. (ASR)
  • Estas tendências são tanto mais significativas se considerarmos que o smartphone é o dispositivo número um entre os trabalhadores da Geração Y, à frente de portáteis, PCs e tablets. (CCWTR)

“Encontros Imediatos” com Malware por País

Em 2012, registou-se uma alteração significativa no panorama global da geografia dos ataques de malware Web. A China caiu do segundo lugar no top dos países mais atacados por malware, em 2011, para o sexto lugar no ano passado. Os países escandinavos, como a Dinamarca e a Suécia, registaram números maiores de ataques por malware Web, subindo no ranking mundial para o terceiro e quarto lugar, respectivamente. Os Estados Unidos mantêm-se no lugar cimeiro, com 33 porcento de todos os ataques de malware Web. (ASR)

  1. Estados Unidos

33,14%

  1. Rússia

9,79%

  1. Dinamarca

9,55%

  1. Suécia

9,27%

  1. Alemanha

6,11%

  1. China

5,65%

  1. Reino Unido

4,07%

  1. Turquia

2,63%

  1. Holanda

2,27%

  1. Irlanda

1,95%


Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário