21922 0

Capgemini cresceu 5,9% em 2012

O conselho de administração da Capgemini, presidido por Paul Hermelin, reuniu-se no passado dia 20 em Paris para analisar e autorizar a publicação dos resultados1 do Grupo Capgemini referente ao ano civil que terminou a 31 de dezembro de 2012.

Apesar do abrandamento dos mercados, 2012 foi o ano em que o Grupo ultrapassou o marco dos €10 mil milhões em receitas (€10,264 milhões). As receitas aumentaram 5.9% em 2011, de acordo com os dados públicos (na estrutura actual do Grupo e taxas de câmbio). Numa base equivalente (estrutura do Grupo e taxas de câmbio constantes) a receita aumentou 1.2%. A diferença entre as duas taxas deve-se principalmente à valorização do dólar nos Estados Unidos e da libra em relação ao euro e da integração da Prosodie, adquirida em Julho de 2011.

Paul Hermelin, presidente e CEO do Grupo Capgemini, refere: “Apesar da desaceleração económica verificada em 2012 na zona euro, o Grupo tem tido um desempenho sólido – em linha com os seus compromissos – e prova, uma vez mais, a capacidade de se manter firme contra flutuações económicas. Fortalecemos o nosso foco global – como demonstrado pelo nosso sucesso na América do Norte, líder mundial do mercado de TI’s e Serviços – os nossos recursos offshore cresceram e enriquecemos o nosso portefólio de serviços. Em 2013, mais do que nunca, vamos procurar posicionar a Capgemini como líder mundial ao lado dos grandes players do mercado, capaz de satisfazer os requisitos dos clientes em termos de competitividade e inovação.”

As reservas efectuadas durante o ano totalizaram €10,084 milhões, registando-se quase no mesmo nível que em 2011 (€10,122 milhões). O rácio de faturação é de 1,07 para o ano e 1,16 para o quarto trimestre, referente aos serviços de Tecnologia, Serviços Profissionais Locais (Sogeti) e em Consultoria, em conjunto, confirmando o dinamismo destas actividades.

A margem operacional é de €787 milhões, ou 7.7€ da receita consolidada em 2012, representando um aumento de 0.3 pontos face a 2011, em linha com os objectivos do Grupo. O Grupo continua a melhorar a sua rentabilidade, atingindo 9% no segundo semestre de 2012. Antes da amortização de activos intangíveis adquiridos através de concentrações de actividades empresariais, a margem operacional é de 8% em 2012. Apesar de um aumento significativo dos custos de reestruturação (€168 milhões em 2012, em comparação com os €81 milhões em 2011), o lucro operacional é de €601 milhões.

Taxa de margem operacional de 7.7%, aumento de 0.3 pontos Lucros do ano atribuídos aos accionistas de €370 milhões Resultados líquidos equivalentes a €872 milhões:
Procedimentos de auditoria sobre as demonstrações financeiras consolidadas foram concluídos.

O lucro do exercício atribuível aos accionistas é de €370 milhões depois de uma despesa de imposto de renda que aumentou 40% (€140 milhões vs. €101 milhões em 2011).

Os resultados líquidos equivalente são de €872 milhões a 31 de Dezembro de 2012, um aumento de €418 milhões no ano. Impulsionado pelo excelente desempenho da segunda metade, o fluxo de caixa orgânico é de €496 milhões, comparado com os €164 milhões de 2011 (incluindo pagamentos antecipados de alguns grandes clientes anglo-saxões na ordem dos €100 milhões).

O Conselho de Administração decidiu recomendar o dia 23 de Maio de 2013 para o pagamento do dividendo de €1 por acção2 na próxima Assembleia Geral de accionistas, inalterado em relação ao ano passado. Representa uma distribuição de 44% do lucro líquido do exercício atribuível aos accionistas, acima do valor padrão (um terço) distribuído pelo Grupo durante muitos anos.

O Conselho de Administração decidiu igualmente cancelar 1.937.647 de acções próprias, adquiridas entre Dezembro de 2012 e Fevereiro de 2013, num montante total de 66 milhões de euros, representando 1.2% do capital social.

Perspectivas para 2013

Tendo em conta a redução de receitas do contrato com a Aspire (com HMRC), e o foco do Grupo na remoção de negócios diluídos, o Grupo Capgemini possui como alvo, um crescimento orgânico da receita de 2013 em linha com 2012. O Grupo espera uma uma margem operacional de mais de 8.3% antes da amortização de activos intangíveis, adquiridos por meio de concentrações de actividades empresariais. O fluxo acumulado orgânico de caixa previsto para o período 2012-2013 encontra-se entre os €750 e 800 milhões.

Operações por região:

França – que mantém o primeiro lugar entre as regiões do Grupo com maior número de receitas,registou um aumento de 2,0% em 2011, tendo em conta a aquisição da Prosodie. Numa base comparável, a receita caiu 2,1% com os serviços de tecnologia e outsourcing a permanecerem estáveis. A margem operacional para a região é de 7,8%, em linha com a média do Grupo.

A região da América do Norte reportou um crescimento da receita extaórdinária de 16,4%. Um crescimento interno de 7,0%, impulsionado pela vitalidade dos serviços de tecnologia, Sogeti e consultoria. Com uma margem operacional de 8,8%, a América do Norte permanece, como em 2011, uma das regiões mais rentáveis do Grupo;

As regiões do Reino Unido e da Irlanda registaram um rescimento da receita na ordem dos 8,1%. Numa base comparável, o crescimento é limitado a 0,9%, compensando a desaceleração nos serviços de outsourcing pelo dinamismo dos serviços de tecnologia devido à esperada redução dos custos no sector público. Com um valor de 7,7%, a taxa de margem operacional subiu 0,6 pontos em 2011;

2 Sujeito à aprovação dos accionistas em Assembleia Geral, a ser realizada a 23 de Maio de 2013, em conformidade com os regulamentos da NYSE Euronext, a data do ex-dividendo será segunda-feira, 3 de Junho e a data do pagamento quinta-feira, 6 de Junho.

A região Benelux registou um declínio de 11,7% na receita de 2012 com uma estabilização sequencial no quarto trimestre. A margem operacional é de 7,2% (ligeiramente abaixo por 0,2 pontos em 2011). As medidas adoptadas em Setembro permitiram um retorno de uma margem operacional de 10% na segunda metade de 2012 (num nível idêntico ao do segundo semestre de 2009);

Nas restantes regiões mundiais, a receita aumentou, em média, 8,8% (numa base comparável, + 6,3%), com os países nórdicos e a região da Ásia-pacífico a registar o maior crescimento. A margem operacional destas regiões é de 9,3%, uma subida de 1,4 pontos face a 2011.

Operações por negócio:

Serviços de Tecnologia – O negócio líder do Grupo em termos de receitas (mais de 40%) – registou um crescimento de 3.5%, com uma melhoria constante da taxa de utilização dos recursos e um ligeiro aumento nos preços permitindo um aumento da taxa da margem operacional em mais de um ponto, para 7.9%;

Serviços de Outsourcing – contribui com 40% para a receita do Grupo. Apresentou um crescimento da receita de 0.5% e uma taxa da margem operacional de 7.6%, em linha com os resultados de 2011;Sogeti – 15% das receitas do Grupo. Registou um declínio de 1,3% nas receitas e uma ligeira queda na taxa de margem operacional (10,4% em 2012, em comparação com os 10,9% de 2011);

Serviços de Consultoria – (5% das receitas do Grupo). Reportou um declínio de 3,6% nas receitas. Apesar da ligeira queda na taxa de margem operacional em 2012, os serviços de consultoria continuam a ser a área de negócio mais rentável do Grupo (11.2%).

Número de colaboradores:

A 31 de Dezembro de 2012, o número de colaboradores do Grupo era de 125 110, comparado com os 119 707 colaboradores no final do ano anterior. Foi alcançada a marca dos 50 mil colaboradores em centros offshore (50 425 colaboradores, incluindo os 41 019 na Índia), o que representa 40% do efectivo total do Grupo em comparação com os 37% no final de 2011.

O Grupo recrutou mais de 31 mil novos colaboradores em 2012.


Patricia Fonseca

Patricia Fonseca

Viciada em tecnologia, entrou para a equipa em 2012 e é responsável pela Leak Business, função que acumula com a de editora da Leak. Não dispensa o telemóvel nem o iPod e não consegue ficar sem experimentar nenhum dispositivo tecnológico.

Notícias Relacionadas

Eng.ª Maria de Lurdes Carvalho é EMEA Vice President Data Center Solutions

A Eng.ª Maria de Lurdes Carvalho, até então Vice-Presidente do IT Business da Schneider Electric, foi integrada no passado dia 15 de Outubro na equipa EMEA do IT

Engenharia no feminino distinguida no Prémio Geração SIMARIS da Siemens

Foram as duas únicas alunas a participar no concurso Geração SIMARIS Design, promovido pela Siemens Portugal, e acabaram por ser elas as vencedoras. Ana Catarina Monteiro e Patricia

Check Point anuncia resultados do terceiro trimestre de 2013

A Check Point anunciou os resultados financeiros do terceiro trimestre de 2013, terminado a 30 de Setembro. Faturação: 344,1 milhões de dólares, o que representa um crescimento homólogo de

Vodafone leva Internet of Things para os Açores e fomenta a criação da primeira “Smart Island”

A Vodafone Portugal iniciou, no último trimestre de 2016, um roadshow pelo País para dar a conhecer o seu vasto portefólio de soluções Internet of Things (IoT) a

Dê a sua opinião:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *