BNP Paribas implementa solução de Reportes Regulatórios da Quidgest

9416
0
Share:

A Quidgest vai implementar, este mês, um software de reportes regulatórios no BNP Paribas, um Banco de origem francesa, resultante da fusão dos bancos BNP (Banque Nationale de Paris) e do Paribas, no ano 2000.

Para João Teles, Business Manager Banking Solutions da Quidgest, “a implementação desta solução no BNP Paribas é fruto da aposta da Quidgest nesta área, constituída por uma equipa própria dedicada ao desenvolvimento de soluções tecnológicas que respondam aos desafios globais das instituições financeiras”.

No âmbito do Acordo de Basileia III e à semelhança de outras instituições financeiras, o BNP Paribas procurou implementar uma solução que a apoiasse no desenvolvimento e envio de reportes regulatórios às autoridades nacionais competentes (NCAs). O sistema desenvolvido pela Quidgest rapidamente colmatou essa necessidade ao criar condições para a célere consulta e geração da informação a reportar, ao possibilitar a migração dos dados do cliente para a estrutura do software que, de forma automática, dá resposta ao reporte.

O Acordo de Basileia III refere-se a um conjunto de novas normas do sistema regulador bancário, promovidas pelo Fórum de Estabilidade Financeira (Financial Stability Board) e pelo G20. Na sequência da recente crise financeira internacional, estas normas foram criadas para aperfeiçoar as regras de definição de capital global e liquidez e aumentar a estabilidade do setor.

Com a uniformização da regulamentação surgiu também a necessidade de se implementar relatórios com requisitos e definições uniformes que irão abranger o reporte de informação de natureza prudencial (COREP), o reporte de informação financeira e contabilística (FINREP), bem como a informação de liquidez e a informação referente ao rácio de alavancagem.

O Banco do Brasil, a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo da Chamusca e a CEMAH – Caixa Económica da Misericórdia de Angra do Heroísmo são alguns dos clientes da Quidgest que já implementaram esta solução.


Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário