Beta-i lança três novos projetos para promover o empreendedorismo europeu e uma nova atitude perante o risco

8360
0
Share:

O ano de 2015 é o ano da Inovação da Cidade de Lisboa, e pode muito bem ser o ano das Startups a nível Europeu. A Beta-i arranca o ano com 3 novos projetos no âmbito Horizon 2020, que acrescem ao Projeto ATALANTA, e junta-se à Câmara Municipal de Lisboa e à Comissão Europeia esta semana, para o arranque do “Ano Europeu da Inovação” e para a “Bolsa do Empreendedorismo 2015”.

Durante o próximo dia 5 de Fevereiro, nos Passos do Conselho, decorre a abertura Oficial do Ano Europeu da Cidade de Lisboa, ao qual a Beta-i se associa, com um conjunto de iniciativas ao longo do ano, com destaque para as duas edições do Lisbon Challenge. Marcará presença durante esse dia, com uma simulação de um dia de trabalho com quatro startups (Magnifinance, Whale, Wazza, Rewind Cities) na Sala Azul da Câmara Municipal de Lisboa, onde os visitantes poderão observar, interagir e fazer perguntas à equipa e startups. A Beta-i irá ainda organizar um workshop aberto ao público sobre inovação, intitulado “Blue Ocean”, que deverá ter início às 15h00.

No próximo dia 6 de Fevereiro, no Centro de Congressos do Lagoas Park, Oeiras, o tema “Aprenda, surpreenda, empreenda!” é o mote da 3ª edição da Bolsa do Empreendedorismo, uma iniciativa da Representação da Comissão Europeia em Portugal, que pretende dar respostas e apontar caminhos para qualquer empreendedor, independentemente do nível de desenvolvimento da sua ideia, projeto ou empresa. Num só dia, a Bolsa vai oferecer uma escolha de mais de quarenta workshops temáticos e uma área de exposição e de interação com representantes de mais de trinta entidades parceiras. Pedro Rocha Vieira será um dos oradores do workshop “Aceleração e Incubação”.

Pedro Rocha Vieira, Presidente da Beta-i, sublinhou: “Sentimos que, cada vez mais, a Comissão Europeia tem como prioridade a promoção do empreendedorismo e inovação. Tanto o Horizon 2020 como o Portugal 2020, mobilizam enormes verbas para a competitividade e emprego, é crucial que exista uma aplicação inteligente e consciente destes fundos. Neste âmbito, acreditamos que os aceleradores podem desempenhar um papel crucial no desenvolvimento da inovação, especialmente no que diz respeito a projetos de empreendedorismo de alta-tecnologia. Para a Beta-i, estamos a passar da promoção do empreendedorismo a nível nacional para o nível europeu e internacional com novas redes de cooperação para a criação de empresas e de conhecimento.”

 


Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário