27839 0

As empresas de média dimensão europeias preparam-se para tirar partido do big data

Num estudo com líderes empresariais europeus, patrocinado pela Ricoh , apenas um em cada cinco escolheu o big data como um catalisador quando questionados sobre as atividades impulsionadas pela tecnologia com maior impacto positivo no crescimento das empresas.

Contudo, um maior conhecimento mostra que os três principais indicadores de crescimento para os líderes de empresas de média dimensão estão relacionados com dados: otimização dos processos empresariais cruciais, digitalização de documentos em papel e transição para o cloud computing. Ainda que com uma abordagem diferente, estas empresas preparam-se para tirar partido dos benefícios cada vez maiores de uma melhor gestão de dados.

Os proprietários de empresas de média dimensão costumam dizer que o seu volume de dados não é suficientemente grande para ser classificado como Big Data, que isso é algo para empresas maiores. Embora alguns não se sintam à vontade com o termo Big Data e talvez não lidem com o mesmo número de terabytes que os seus pares em empresas maiores, estão cientes do crescimento dos seus dados desestruturados, que ultrapassam o crescimento de dados estruturados, numa razão de três para um .

Na verdade já estão a dar passos nesse sentido e muitos estão numa posição sólida para o fazer. O estudo também mostra que a maioria dos CIO de empresas de média dimensão está hoje mais capacitada para mudar os processos de data business intelligence (61%) e de fidelização de clientes (52%) do que os CIO de grandes empresas, em que as percentagens são de 55% e 46%, respetivamente.

Além disso, o relatório do SMB Group “2012 SMB Routes to Market Study” mostra que 57% das médias empresas já adquiriram ou atualizaram uma solução de business intelligence / análise de dados nos últimos 24 meses e que 49% planeiam fazê-lo nos próximos 12 meses.


Jorge Silva

Diretor de Marketing da Ricoh Portugal

Notícias Relacionadas

Monitores: Por que é que maior é melhor

O uso de um computador é atualmente um requisito obrigatório da maioria das profissões. Apesar dos benefícios da tecnologia nas soluções de PC desktop, a verdade é que

O melhor e o menos bom do digital em 2016

Sempre que terminamos uma etapa e ainda antes de iniciarmos a seguinte, é natural que dediquemos algum tempo a analisar o que aconteceu. O que correu bem? O

Como podem os CFO tirar partido dos sistemas ERP?

Cada vez mais se exige que os diretores financeiros (CFO) se envolvam em projetos mais abrangentes dentro das organizações, fazendo uso das suas capacidades e da sua experiência

WORKSHIFTING – A exceção que se tornou regra

A fronteira entre a vida pessoal e profissional, no que respeita ao uso e à gestão do tempo, está a esbater-se para o típico colaborador de uma empresa. A flexibilidade

Dê a sua opinião:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *