Altran apresenta estudo sobre presente e futuro das telecomunicações e media

8712
0
Share:

O investimento em media e em entretenimento será determinante e uma tendência de mercado, que terá como efeito aproximar os operadores do público, e gerar conteúdos de valor acrescentado – que, por sua vez, dão enfoque às experiências dos utilizadores ao nível das aplicações móveis.

Esta é uma das conclusões da primeira edição do relatório TEM (Telecom&Media) Ecosystem – um estudo recente desenvolvido pela Altran Portugal, que reflete sobre a situação atual e a evolução do setor das telecomunicações portuguesas, e analisa e lança também algumas tendências para o mercado português, até 2017. O estudo é apresentado e distribuído hoje no 24º Congresso das Comunicações, organizado pela Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações – APDC, que está a decorrer em Lisboa.

“Este relatório dá-nos uma visão geral sobre os novos modelos de negócio e novas estratégias de investimento neste mercado e, para além disso, permite-nos conhecer melhor o planeamento estratégico dos diferentes players, desde operadores a empresas de Tecnologias de Informação”, afirma Bruno Casadinho, diretor de Media e Telecomunicações da Altran Portugal.

No sentido de aprofundar o tema, o estudo considera cinco segmentos de mercado – dispositivos, network, serviços, aplicações e conteúdos – analisados com base em sete tópicos, designadamente, eventos, oferta, players, modelos de negócio, estratégias, fator competitivo e áreas de investimento.

O TEM Ecosystem revela que as infraestruturas nacionais, fixas e móveis, são das mais avançadas do mundo e, por isso, permitem alavancar oportunidades no mercado das TEM que merecem ser abordadas. O estudo explica também que o Fixed Ultra-fast Broadband será o principal serviço de comunicação, cujo valor acrescido é estimado em 31%, e que o entretenimento digital em Portugal vai ser liderado pelos OTT Players, pelo que, como consequência, os modelos ‘pay per consumption’ de conteúdos digitais terão um grande impacto para estas empresas.

 


Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário