A Cloud, a produtividade e a redução de custos nas organizações nacionais

8976
0
Share:

A Microsoft Portugal dá hoje a conhecer os resultados de um estudo que encomendou à IDC Portugal, sobre “O Papel das Tecnologias de Informação na Produtividade e Redução de Custos nas Organizações Nacionais” e que envolveu uma análise às 5000 maiores organizações em Portugal, incluindo a administração pública e o setor financeiro.

O Estudo, concretizado através de um inquérito que decorreu entre meados de fevereiro e início de março de 2013, teve como objetivo identificar os principais fatores que influenciam a produtividade nas organizações nacionais e a importância assumida e percecionada destes fatores, avaliando em simultâneo o impacto das TI e as perspetivas de adoção de serviços online e de ferramentas de produtividade.

De acordo com os dados recolhidos pela IDC, a maioria das organizações (90%) definiu a redução de custos como uma das principais medidas a adotar, sublinhando contudo que para manter a competitividade e ultrapassar o ambiente recessivo é fundamental melhorar a eficiência operacional, otimizar os processos de negócio e melhorar o desempenho da organização.

A Produtividade das Organizações Nacionais

O estudo da IDC Portugal procurou ainda analisar o impacto que um conjunto de iniciativas tecnológicas teve na produtividade dos colaboradores das organizações nacionais. Assim, e segundo os dados compilados pela equipa da IDC  Portugal, a introdução de computadores portáteis (91%) e a implementação de aplicações de produtividade de que é exemplo o Microsoft Office (90%) são as iniciativas tecnológicas que, segundo a esmagadora maioria dos inquiridos, tiveram maior impacto na produtividade dos colaboradores das organizações nacionais. Por outro lado, iniciativas tecnológicas como a implementação de soluções de videoconferência, de comunicações unificadas e de aplicações de gestão são ainda consideradas pelos inquiridos como tendo um elevado contributo para o crescimento da produtividade dos colaboradores das organizações nacionais.

A este nível, a grande maioria das organizações (70%) sublinha que a produtividade é um fator importante da estratégia das suas organizações, enquanto cerca de um quarto das organizações inquiridas refere que a produtividade é um fator determinante da estratégia.

Otimizar os processos de negócio (76%) de forma a assegurar a eficiência operacional e assegurar que os colaboradores da organização têm acesso à informação que necessitam e quando necessitam (73%) são elementos cruciais identificados como fundamentais para o crescimento da produtividade das organizações. Cerca de dois terços dos inquiridos no estudo referem, ainda, que maximizar a eficácia dos colaboradores no decorrer do desempenho das suas funções (59%) é outro dos aspetos determinantes para o aumento da produtividade nas organizações. Um número significativo de inquiridos (40%) refere, ainda, a colaboração e o foco nas atividades que interessam ao negócio das organizações, e cerca de um terço dos inquiridos referem também a necessidade de assegurar que os colaboradores da organização possam desenvolver as suas atividades em qualquer local.

Perspetivas de Adoção de Serviços Cloud Computing

A nova realidade de organização do trabalho vai, desta forma, influenciar a adoção de serviços de cloud computing no território nacional, nomeadamente no que diz respeito à adoção de aplicações de produtividade. Neste contexto, a maioria das organizações nacionais (58%) vê benefícios na adoção de serviços online de aplicações de produtividade, enquanto cerca de 25% das organizações nacionais não vê benefícios para a adoção deste tipo de serviços.

No que respeita à adoção e migração para soluções de cloud computing e real impacto na produtividade das organizações, a opinião é unânime, com cerca de 40% das organizações nacionais a afirmar já terem adotado formas de trabalho residencial (em part-time ou ad-hoc) e cerca de 25% das organizações nacionais a afirmar já terem fomentado o trabalho nómada. A maioria das organizações inquiridas sublinha, ainda, que o trabalho residencial e o trabalho nómada vão aumentar nos próximos anos, contrariamente ao trabalho convencional que vai diminuir.

No que concerne aos benefícios associados à adoção de serviços de cloud computing, a maior flexibilidade (66%), melhor sincronização entre diferentes equipamentos (49%), maior disponibilidade (48%) e redução de custos (48%) são os mais apontados pelos responsáveis das organizações nacionais. Por outro lado, a segurança, o custo da subscrição e as funcionalidades são os fatores mais valorizados pelos mesmos responsáveis e que motivam a utilização de soluções de produtividade baseadas na Web.

Entre as aplicações de produtividade implementadas nas organizações nacionais, as versões 2007 e 2010 do Microsoft Office são as mais populares, o que reforça o fato da maioria das organizações inquiridas já ter migrado ou esteja a planear migrar as suas aplicações do Microsoft Office para as novas versões – Microsoft Office 2013 e Microsoft Office 365 (32% e 8%, respetivamente).

Aumentar a produtividade dos colaboradores da organização e dar mais flexibilidade aos colaboradores são as razões apontadas pela maioria dos inquiridos para proceder à migração para a nova versão do Microsoft Office.  Importa ainda assinalar que fatores como a redução de custos, a sincronização entre diferentes equipamentos ou a possibilidade de aceder a atualizações constantes possuem algum peso na decisão dos responsáveis nacionais.

Para Marcos Santos, responsável pela área de Office e produtividade na Microsoft Portugal, “este Estudo revela realidades e tendências muito curiosas e que estão alinhadas com a estratégia e soluções de produtividade da Microsoft. A importância crescente da mobilidade, do acesso a informação em qualquer local e a evolução para o trabalho nómada e residencial aliada à evolução para o Cloud Computing são algumas das áreas que o novo Office aposta fortemente.”


Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário