Aceleradores de Inovação vão representar 52% da despesa com TI em Portugal

52800
0
Share:

Em 2017, o investimento em tecnologias de informação (TI) em Portugal irá  atingir os 3,6 mil milhões de euros, um crescimento de 0,9% face a 2016, anunciou a IDC esta quarta-feira, na  conferência anual IDC FutureScapes 2017, que revela, no início de todos os anos, as 10 principais previsões para o mercado das TIC a nível mundial e em Portugal.

Para esta tendência irá contribuir sobretudo o aumento dos gastos com tecnologia da terceira plataforma (cloud, mobilidade, social business e big data), os quais crescerão, em 2017, 11,5%, e o decréscimo de 3% nas tecnologias  de segunda plataforma. O mercado das tecnologias associadas aos novos “aceleradores de inovação”, onde a IDC  inclui soluções de IoT, Robótica, Impressão 3D, entre outras, irá crescer 25,4% em 2017.

Se incluirmos no mercado de TI as tecnologias associadas a estes novos “aceleradores de inovação”, a IDC prevê que, até 2020, o mercado cresça a um ritmo anual médio de 4,8% ao ano, e, em 2020, a terceira plataforma e os aceleradores de inovação representem 52% da despesa com tecnologia em Portugal.

É neste contexto que a IDC prevê que, em 2020, 25% das 500 maiores organizações portuguesas irão centrar a sua estratégia de diferenciação competitiva através da Transformação Digital. Isto significa que irão transformar a forma como se relacionam com clientes e parceiros, e como lançam novos produtos e serviços, utilizando tecnologias da terceira plataforma e os aceleradores de inovação.

“Apesar da Transformação Digital estar no topo das agendas das principais organizações de todos os setores em Portugal, a IDC prevê que, em 2020, apenas 25% das 500 maiores organizações portuguesas irá conseguir desenvolver com sucesso uma estratégia de diferenciação competitiva através da Transformação Digital, ou  seja, conseguirá de fato transformar a forma como se relaciona com clientes e parceiros, e lança novos produtos e serviços, utilizando tecnologias da terceira plataforma e os aceleradores de inovação”, afirmou Gabriel Coimbra, diretor-geral da IDC em Portugal.

No que toca aos departamentos de TI, a IDC prevê ainda que, devido a ausência de visão, credibilidade e
capacidade de Influenciar o negócio, 40% dos CIO não conseguirá alcançar papéis de liderança na Transformação Digital nas suas organizações. É neste contexto que a IDC apresentou diversas recomendações, ao nível das estratégias de governance, segurança, privacidade, agilidade (DevOps) e contratação na terceira plataforma, críticas para o sucesso dos processos de Transformação Digital das organizações nacionais.

As 10 previsões da IDC Portugal para o mercado de TIC nos próximos 12 a 24 meses:

  1. Em 2020, 25% das 500 maiores empresas portuguesas deverão estar nos níveis 4 e 5 (Digital Transformer e Digital Disrupter) do modelo de maturidade Digital Transformation MaturityScape da IDC.
  2. . Em 2020, a terceira plataforma e os aceleradores de inovação irão representar 52% da despesa em TI em Portugal.
  3. Em 2020, 35% dos projetos de TI das 500 maiores organizações portuguesas estarão orientados para o crescimento das receitas através da monetização dos dados.
  4. 4. Em 2018, mais de 75% dos CIOs das 500 maiores organizações terão no topo das suas agendas o tema do RGDP
  5. 5. Em 2020, 43% do budget empresarial de TI será centrado em plataformas Cloud (Públicas e Privadas).
  6. 6. Em 2020, as empresas líderes nos seus setores e os principais ministérios irão criar clouds setoriais.
  7. 7. Em 2019, mais de 50% das 500 maiores empresas portuguesas terão uma equipa dedicada a transformação
  8. 8. Em 2019, mais de 50% das receitas de serviços cloud de grandes fornecedores cloud será intermediado por parceiros.
  9. 9. Em 2020, mais de 20% das empresas com foco B2C irão desenvolver soluções com base em AR/VR.
  10. 10. Em 2025, os efeitos da 4ª plataforma começarão a ter impacto nos mais diversos setores de atividade em Portugal, partindo do setor da saúde e outros setores com contato direto com o consumidor final.

Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário