10 Dicas Essenciais para tornar um Centro de Dados mais eficiente

8184
0
Share:

Para que os centros de dados profissionais sejam mais eficientes no uso que fazem da energia é necessário implementar uma série de enfoques operativos pragmáticos. Um dos elementos básicos passa por contemplar o sistema de centro de dados como um todo, porque a otimização de cada elemento em separado trará resultados muito mais reduzidos.

Segue-se uma lista de práticas que abrangem a totalidade do sistema e contribuem para melhorar a eficiência do centro de dados:

Configuração do corredor quente/corredor frio: as filas de racks devem estar posicionadas para que os servidores fiquem colocados frente a frente. Esta disposição pode reduzir largamente as perdas de energia e prolongar a vida dos servidores;

Uso de ferramentas de gestão de capacidade: estas ferramentas ajudam a minimizar a “capacidade estática” do centro de dados, permitindo a instalação da quantidade máxima de equipamentos informáticos dentro da classificação de capacidade máxima bruta de energia e arrefecimento; assim se consegue que o sistema trabalhe nos níveis mais altos da sua curva de eficiência;

Monitorização do consumo de energia: um centro de dados deve contar com instrumentos para identificar condicionantes que originem consumos elétricos pouco eficientes, e emitir advertências a esse respeito, para que as situações de desperdício de energia possam ser corrigidas rapidamente;

Escalonamento de Energia e Arrefecimento: o uso de soluções escaláveis de energia e arrefecimento pode aumentar a eficiência de centros de dados pequenos, ou que estejam nas etapas iniciais do seu ciclo de vida. O uso destas soluções evita também custos operacionais e de capital antes de tempo;

Arrefecimento In Row: ao reduzir as rotas de circulação de ar através do arrefecimento In Row, reduz-se a mistura de correntes de ar frio e ar quente, o que melhora o grau de previsibilidade da distribuição de ar e a eficiência na administração de ar frio nas cargas que precisam;

“Free Cooling”: trata-se de um termo de uso comum que se refere a um centro de dados que trabalha em “modo económico”. Embora estas tecnologias não sejam completamente gratuitas, podem contribuir bastante para melhorar a eficiência do centro de dados em determinadas zonas do globo. Os sistemas económicos de “free cooling” poupam energia utilizando o ar exterior nos meses mais frios do ano, o que permite desligar os sistemas de arrefecimento automáticos, tais como pisos de água gelada e compressores, ou usá-los com capacidade reduzida;

Sistemas UPS de Alta Eficiência: atualmente existem tecnologias que aumentam substancialmente a eficiência, e que podem ser obtidos diretamente com os sistemas UPS. Com uma carga de 30%, a eficiência dos sistemas UPS mais recentes aumenta em mais de 10%, quando comparados com a média dos sistemas UPS instalados atualmente;

Controlos de Velocidade de Frequência Variável (VFD): muitos dispositivos constantes do centro de dados que funcionam com motor elétrico trabalham na sua velocidade máxima, mesmo quando as cargas que fornecem requerem menos capacidade. Os controlos de velocidade de frequência variável (VFD) ajudam a adequar a saída dos ventiladores à carga. O mecanismo de controlo de velocidade destes dispositivos contribui para maximizar a eficiência. Tanto o software de gestão como os sensores térmicos (com ou sem cabos) podem colaborar na regulação ou no controlo dos dispositivos VFD;

Soluções Modulares em Contentores: é frequente que existam condicionantes físicas dos próprios edifícios que limitam o alcance da eficiência energética que se pode alcançar através da distribuição de energia e arrefecimento. Hoje em dia, diversos fabricantes constroem módulos de energia e arrefecimento em contentores que utilizam componentes standard, desenhados para satisfazer valores específicos de eficácia no uso da energia (PUE). Estas soluções, que são embaladas, entregues e instaladas como módulos para se adaptarem a um edifício já existente, podem aumentar com rapidez a eficiência de centros de dados em funcionamento;

Contenção do Corredor Quente: os sistemas de contenção do corredor quente (HACS) permitem temperaturas mais elevadas em ambientes de trabalho e maiores temperaturas de água gelada, o que resulta num aumento das horas de operação em modo económico, assim como poupanças substanciais em despesas eléctricas.


Share:
Patricia Fonseca

Deixe o seu comentário