Sabe qual é a cidade mais Conectada do Mundo?


shadow
Partilhe esta notícia...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

A Ericsson nomeou Estocolmo como a cidade líder do Networked Society City Index 2016, um índice que mede o desempenho de 41 cidades de todo o mundo com base em duas perspetivas: a sustentabilidade do desenvolvimento urbano e a maturidade ao nível das TIC. À cidade de Estocolmo, seguem-se Londres, Copenhaga, Singapura e Paris.

Também outras cidades registaram uma subida significativa no ranking do Networked Society City Index 2016, comparativamente às posições que ocupavam no índice de 2014, nomeadamente Barcelona, Istambul e Jacarta. Por outro lado, as cidades de Hong Kong, Moscovo e Dubai desceram nesta tabela. Por regra, as cidades com menor maturidade em termos de TIC tendem a evoluir mais rapidamente que aquelas que registam uma maior maturidade ao nível das TIC, cenário que traduz a existência de um forte efeito de recuperação.

Eis algumas das principais conclusões do estudo:

  • Existe uma correlação positiva entre o desenvolvimento social e económico e o aumento da maturidade ao nível das TIC.
  • As TIC não são apenas críticas para o progresso socioeconómico. Podem contribuir positivamente para dissociar o progresso do aumento do impacto ambiental, em prol de um desenvolvimento mais sustentável.
  • O planeamento de uma cidade inteligente é decisivo para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (United Nations Sustainable Development Goals – SDGs). As cidades serão, por exemplo, fundamentais para os avanços nas ações climáticas, para a redução dos níveis de pobreza, para o melhoramento da saúde e da educação e para a otimização da inclusão social e financeira.
  • Algumas ações são porém necessárias para que as cidades ultrapassem o simples conceito de cidades inteligentes que existe atualmente, e se tornem cidades mais sustentáveis: a inclusão das TIC como uma infraestrutura base e essencial nos planos de investimento; a criação de um ambiente regulatório positivo que promova a adoção das TIC; uma abordagem holística de integração das TIC no planeamento de diferentes setores, como o dos transportes, da energia e da segurança pública; e o incentivo à colaboração entre as cidades.

Author

Bruno Fonseca
Bruno Fonseca

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *