E.Near prevê crescer 60% e contratar mais 50 engenheiros de software até final de 2016


shadow
Partilhe esta notícia...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

A E.Near prevê crescer 60% este ano, atingindo um volume de negócios de 4 milhões de euros. A empresa, que foi fundada em 2013, já tem clientes em Inglaterra, Irlanda, EUA, Alemanha, Croácia e Suíça, conta com 75 colaboradores, e pretende contratar mais 50 até final de 2016.

«A E.Near tem tido um desempenho em linha com o plano de negócios, que é o reflexo das nossas ambições. Faturámos 30 mil euros no ano da nossa fundação em 2013, 300 mil euros em 2014 e demos o salto para os 2,5 milhões de euros no ano passado. Desde sempre que tivemos a visão de entrar no segmento high-end e ser uma empresa de altíssima qualidade naquilo que nos especializámos – nearshore, apostando por um lado em pessoas qualificadas que conseguem dar cartas nos mercados internacionais, e por outro adicionando uma camada de gestão que permite obter um elevado grau de satisfação dos clientes», revela o CEO, Nuno Melo.

O segredo passa por conseguir atrair profissionais competentes, ambiciosos e que queiram ter experiência em clientes internacionais sem sair de Portugal. Ou seja, obter o melhor de dois mundos, o que se tem revelado uma aposta vencedora como se prova pelo turnover de apenas 4%, bastante abaixo da média do setor.

A E.Near veio responder à necessidade dos clientes internacionais de contratarem serviços de nearshore muito além do tradicional conceito de bodyshop. Para tal, disponibiliza um conjunto de serviços que vai da gestão de equipas à gestão de produto, passando pela gestão total do próprio projeto, fazendo o ciclo end-to-end. Não se trata da pura e simples venda de recursos.

«Temos vantagens que advêm do país onde estamos localizados, da qualidade dos recursos humanos e da metodologia de gestão de entrega de software à distância, que é proprietária e que permite índices de qualidade, produtividade e poupança de custos extremamente elevados», acrescenta.

A ideia subjacente à criação da E.Near sempre foi atuar apenas em mercados externos. «Neste momento, já faturamos cerca de 2 milhões de euros com serviços prestados ao Reino Unido e estamos em franca expansão nos EUA. Temos outros projetos em países europeus, mas ainda representem uma faturação inferior aos mercados anglo-saxónicos: Irlanda, Croácia, Suíça e Alemanha», explica Nuno Melo.

O sucesso da E.Near levou os gerentes da empresa a traçarem outras metas, como a expansão
para o Médio Oriente, nomeadamente para os Emirados Árabes Unidos. «Estamos já a desenvolver esforços no Qatar, onde a embaixada portuguesa iniciou recentemente a sua atividade, e temos também participado nalgumas missões empresariais à América Latina», revela o responsável. Em Portugal, além de Lisboa e Covilhã, a empresa planeia abrir um escritório no Porto ainda este ano.

«Queremos que haja um reconhecimento mundial de que a melhor empresa de nearshore é a E.Near, que está em Portugal, e que em Portugal se constrói tecnologia com uma qualidade que não se consegue em mais nenhuma parte do globo», confessa Nuno Melo.

Para fazer face ao crescimento, a E.Near vai contratar 50 colaboradores ainda em 2016 e prevê criar mais 50 a 100 novos empregos no mercado nacional até final de 2017. Para captar este talento, apresenta como argumentos a atuação em países altamente atrativos para os engenheiros de software e a possibilidade de participarem em projetos estimulantes que proporcionam uma profunda evolução profissional. Por outro lado, é uma empresa estável, com boas condições remunerativas e uma cultura informal: existe uma estrutura flat, em que os colaboradores tomam parte nas decisões, são ouvidos e acompanham a implementação de novas ideias. O próprio modelo de avaliação foi desenhado pelos colaboradores e é “proibido” trabalhar mais de 8 horas por dia.

Os requisitos para fazer parte dos quadros da E.Near são, no entanto, exigentes e passam por «um conjunto de competências tecnológicas e comportamentais, entre as quais fortes conhecimentos de computer science e software, muita ambição e sentido de responsabilidade, com elevado grau de autonomia», conclui Nuno Melo. As candidaturas podem ser enviadas para contact@enear.co.

Recentemente, a E.Near mudou a sua sede para um escritório com o triplo do espaço no Parque das Nações, em Lisboa, e foi uma das 3 nomeadas para o prémio de melhor outsourcing da Europa.

Author

Patricia Fonseca
Patricia Fonseca

Viciada em tecnologia, entrou para a equipa em 2012 e é responsável pela Leak Business, função que acumula com a de editora da Leak. Não dispensa o telemóvel nem o iPod e não consegue ficar sem experimentar nenhum dispositivo tecnológico.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *