Estudo da Ricoh sublinha que 92% das empresas Europeias não estão preparadas para o Mercado Único Digital


shadow
Partilhe esta notícia...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

De acordo com o mais recente estudo da Ricoh, a grande maioria das empresas Europeias (92%) afirmam não estarem preparadas para o Mercado Único Digital na União Europeia. A juntar a este dado, apenas metade das empresas (51%) ouviu falar desta proposta, onde Portugal se posiciona com o terceiro valor mais baixo (30%).

O Mercado Único Digital prepara-se para ser a regulação Europeia mais disruptiva da última década. Contudo, milhões de empresas poderão, neste momento, perder os benefícios desta iniciativa e não aproveitar uma contribuição para a economia Europeia estimada em €415 mil milhões.1

Para além de Portugal, os valores mais baixos do conhecimento sobre o Mercado Único Digital, que se prepara para chegar em força no final de 2016, estão nos Países Nórdicos (28%) e na Bélgica / Luxemburgo (29%). Este estudo feito com opiniões 1.360 líderes de negócio por toda a U.E. sobre o mercado online Europeu aborda os impactos da estandardização dos mesmos conteúdos, produtos e serviços que estarão disponíveis aos mesmos preços em toda a União Europeia.

# Percentagem das empresas em cada país com conhecimento do Mercado Único Europeu da União Europeia  # Percentagem das empresas em cada país que não estão preparadas para o Mercado Único Digital
1. Itália 70% 1. Polónia 97%
França 70% 2. França 95%
2. Espanha 65% Alemanha 95%
3. Alemanha 61% 3. Bélgica / Luxemburgo 94%
4. Reino Unido 57% 4. Reino Unido 92%
5. Polónia 47% Espanha 92%
Áustria 47% Portugal 92%
6. Hungria 46% 5. Hungria 91%
7. Holanda 43% 6. Itália 91%
8. Portugal 30% 7. Países Nórdicos 90%
9. Bélgica / Luxemburgo 29% 8. Áustria 88%
10. Países Nórdicos 28% 9. Holanda 86%

Os valores baixos relativos ao conhecimento e preparação são especialmente preocupantes, dado que apenas 7% das Pequenas e Médias Empresas na União Europeia vendem, atualmente, além-fronteiras. Segundo a União Europeia este valor necessita de crescer para que a economia europeia se possa desenvolver.2

Grande parte das empresas europeias (65%) reforçam a sua intenção em se expandirem para outros países dentro do mesmo continente, nos próximos 5 anos. Porém, a menos que adiram em força ao Mercado Único Digital, estes planos de crescimento ambiciosos correm o risco de não se concretizarem.

A maior parte dos inquiridos crê existirem diversos benefícios contidos num Mercado Único Digital – em particular, um aumento no número de consumidores da União Europeia (resposta dada por 56% dos inquiridos), a oportunidade para aceder a novos mercados europeus (resposta dada por 52%), bem como um incremento na eficiência interna da sua própria empresa (44%).

Contudo, 24% das empresas inquiridas não acreditam existirem qualquer tipo de benefícios resultantes de um Mercado Único Digital, sendo que muitos expressam a sua preocupação sobre o impacto que poderá ter nas suas estruturas. Destas empresas, 40% reforçam não estar preparadas para o aumento da concorrência que um Mercado Único Digital fomentaria, sendo que 37% receia as implicações dos custos e 34% acredita não possuir os recursos necessários para capitalizar com esta oportunidade. Um terço dos inquiridos julga também que apenas haverá mais regulamentações, simplesmente porque sim.

Benefícios detectados para as Empresas Preocupações detectadas para as Empresas
Aumento de consumidores da U.E. 56% Aumento da concorrência 42%
Redução da barreira para novos mercados 52% Maior necessidade de TI 41%
Maior lucro 52% Obstáculos com o IVA 36%
Maior rentabilidade 50% Incerteza com a protecção de dados além-fronteiras 34%
Redução dos custos de operação 48% Investimento necessário para lançamentos num novo território 34%
Lançamentos mais rápidos de novos produtos / serviços 47% Descida dos preços e / ou serviços 32%
Processos e sistemas internos mais eficientes 44% Falta de leis de comércio além-fronteiras claras 29%

David Mills, CEO da Ricoh Europa, afirmou que “até ao momento, os líderes de negócio não conseguiram ainda ter percepção do enorme impacto que o Mercado Único Digital iminente terá nas suas empresas. É bastante legítima a preocupação relativa a inúmeros gestores, que aparentam não sentir uma pressão imediata para preparar as suas organizações. No entanto, o sentido da mudança europeia, em direcção a uma economia cada vez mais suportada no digital é um caminho obrigatório”.

Uma das razões para a falta de entusiasmo das empresas relativamente ao Mercado Único Digital poderão ser as suas preocupações face à força digital dos seus próprios países. Apenas 9% dos líderes de negócio europeus afirmam que o seu país é “muito forte” na tecnologia digital, aptidões e infraestrutura. Se quase dois terços das empresas nos Países Nórdicos acreditam que os seus países são fortes digitalmente, antagonicamente verificou-se, relativamente a esta questão, apenas um quinto das empresas polacas e espanholas, e ainda 15% das empresas francesas e italianas com a mesma resposta.

De acordo com o Índice de digitalidade da economia e da sociedade3, a Dinamarca, a Suécia e a Finlândia estão listados no top-3 das nações preparadas para o digital, entre os 28 Estados-Membros da União Europeia, com Polónia, Itália e Espanha listadas na metade de baixo.

Ao conseguirem agilizar, digitalizar e estandardizar os seus processos, as empresas Europeias mais inovadoras estarão numa melhor posição para desenvolver uma vantagem competitiva distinta. Este é um passo necessário para que a Europa consiga criar gigantes digitais internos, que consigam competir no mercado global, dominado tradicionalmente por empresas Americanas e, cada vez mais, pelas empresas Chinesas.

Toda as informações do estudo aqui:

http://thoughtleadership.ricoh-europe.com/pt/digital-marketplace-hope-or-hype/?utm_source=corporate&utm_medium=banner&utm_campaign=hope_or_hype

Author

Patricia Fonseca
Patricia Fonseca

Viciada em tecnologia, entrou para a equipa em 2012 e é responsável pela Leak Business, função que acumula com a de editora da Leak. Não dispensa o telemóvel nem o iPod e não consegue ficar sem experimentar nenhum dispositivo tecnológico.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *