21437 0

Commvault explica às empresas como se podem adaptar à nova era da “disponibilidade total”

Hoje em dia, o impacto da revolução digital não afeta exclusivamente as grandes corporações multinacionais, mas todas as empresas, tanto do sector da tecnologia como praticamente de qualquer outro mercado vertical, seja qual for a sua atividade. César Cid, diretor técnico para o Sul da região EMEA da Commvault, dá algumas dicas sobre como as empresas se devem adaptar as empresas a esta mudança para proteger os seus negócios e competir num panorama que evolui rapidamente.

“A premissa atual perante a mudança inevitável é a da evolução, ou seja, renovar para não morrer. Não é por acaso que os novos players do espaço das grandes ligas empresariais e de crescimento rápido são, invariavelmente, empresas novas ou com poucos anos de existência (por exemplo Uber, Google, Airbnb, SocietyOne, Facebook…). Para enfrentar esta mudança, as empresas ou sectores mais tradicionais no que diz respeito ao uso da tecnologia devem adaptar-se a este novo meio e enfrentar a realidade que os seus clientes exigem: o do imediatismo”.

De acordo com este responsável, a disponibilidade da informação tornou-se num caminho crítico para o êxito das empresas de hoje. “Esta é a razão principal pela qual devemos assumir que o uso das mesmas ferramentas que utilizávamos não só há mais de 10 anos coo inclusive há cinco ou menos ainda, deve mudar. Todas e cada uma destas ferramentas ficaram obsoletas e incapazes de responder às atuais necessidades e tempos de resposta que os nossos utilizadores e clientes exigem, colocando em risco o próprio negócio”, sublinha.

César Cid defende que as empresas devem aproveitar o investimento em tecnologia adquirida para as funções onde esta possa ser útil, como seja a retenção de informação a longo prazo ou a proteção de sistemas de baixa criticidade e impacto em caso de falha. Mas considera imprescindível adotar tecnologias que garantam que se possa recuperar a informação da forma mais rápida possível em caso de necessidade. “O problema que se coloca é o crescimento desmesurado de informação nas empresas e a procura intransigente da mesma num mundo sempre conectado, a todas as horas e dias do ano”.


Patricia Fonseca

Patricia Fonseca

Viciada em tecnologia, entrou para a equipa em 2012 e é responsável pela Leak Business, função que acumula com a de editora da Leak. Não dispensa o telemóvel nem o iPod e não consegue ficar sem experimentar nenhum dispositivo tecnológico.

Notícias Relacionadas

Viatecla ganha operadores turísticos no Brasil

A Viatecla deu mais um passo decisivo no Brasil, ao ter visto a sua tecnologia KeyForTravel sido seleccionada pelas empresas da Direcção da Braztoa, a associação brasileira de

Ricoh Reconhecida Como Uma das Empresas Mais Éticas do Mundo

A Ricoh foi reconhecida pelo Ethisphere Institute como uma das Empresas Mais Éticas de 2015. A distinção reconhece as organizações com impacto comprovado na forma como conduzem os

Arqueonautas gere operações à volta do mundo com Office 365 da Microsoft

A Microsoft Portugal anuncia que a Arqueonautas, empresa de arqueologia subaquática fundada em Portugal e com operações a nível mundial, implementou recentemente o Office 365, o serviço integrado de soluções

Altran investe 12 milhões de euros em Portugal e cria 200 postos de trabalho

A Altran acordou com o Governo de Portugal um novo investimento, de 12 milhões de euros, que vai  permitir criar  200 novos  postos  de trabalho.  Os novos empregos,

Dê a sua opinião:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *