Cibercrime russo: mais de 1.600 milhões de euros roubados em 3 anos


shadow
Partilhe esta notícia...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

Os peritos do Departamento de Investigação de Incidentes em Computadores (CIID, na sua sigla em inglês) da Kaspersky Lab passaram os últimos três anos e meio a investigar mais de 330 incidentes de segurança que afetaram governos e organizações privadas. Mais de 95% destes incidentes usaram software malicioso, muitas vezes com êxito, para roubar dinheiro. Os detalhes desta análise encontram-se agora compilados no relatório ‘O cibercrime russo: como funciona’.

O relatório estima o dano causado às empresas por cibercriminosos de fala russa, detidos pela justiça nos últimos anos. Inclui uma panorâmica dos produtos e serviços oferecidos no mercado negro e explica a estrutura de um grupo cibercriminoso russo e os principais perfis dos seus participantes.

Os principais destaques do relatório são:

  • Entre 2012 e 2015, as forças de órgãos de segurança de diferentes países detiveram mais de 160 pessoas procedentes da Rússia e de países vizinhos, todos suspeitos de levar a cabo cibercrímes financeiros em todo o mundo.
  • O prejuízo estimado causado pelas suas atividades excedeu os 740 milhões de euros. Se a este dano juntarmos o prejuízo causado pelo infame grupo Carbanak (cujos participantes ainda não foram detidos), o roubo total ascende a mais de 1.600 milhões de euros.
  • Mais de 570 milhões de euros foram roubados a países que não fizeram parte da URSS.
  • Os analistas da Kaspersky Lab calculam que, durante os últimos três anos e meio, cerca de 1.000 pessoas da Rússia e de países limítrofes estiveram envolvidas em atividades cibercriminosas. As provas sugerem que existem menos de 20 líderes de grupos de cibercriminosos e que a maioria deles ainda não foi capturada.
  • Atualmente, a Kaspersky Lab está a investigar ativamente cinco grandes grupos cibercriminosos envolvidos no roubo de dinheiro através do recurso a software malicioso.

Estes cinco grupos continuam ativos e foram descobertos pelos investigadores da Kaspersky Lab em 2012 e 2013. Cada um é composto por entre 10 e 40 pessoas, dependendo do grupo. Pelo menos dois destes grupos apontam baterias à Rússia e países vizinhos, mas também aos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, França, Itália e Alemanha.

Ao contrário de outros cibercriminosos locais, por exemplo no Brasil, os de fala russa não se centram apenas em alvos locais. São um problema internacional e acreditamos que a magnitude da ameaça continuará a crescer. Com a recente desvalorização do rublo, os cibercriminosos russos têm um incentivo maior para desviar a sua atenção de alvos locais, transferindo-a para outros estrangeiros onde vêm uma maior oportunidade de obter maiores ganhos ilícitos. Prevemos, por isso, um aumento no número de ataques contra organizações de fora da Rússia. O único modo eficaz de lutar contra o cibercrime é uma junção de esforços entre as forças de segurança, os peritos em segurança informática e representantes do sector financeiro. A experiência da Kaspersky Lab na monitorização e combate ao cibercrime russo é incomparável. Os nossos peritos detetam tendências emergentes maliciosas muito antes de se espalharem e estamos a tirar partido dessa experiência para combater a propagação do cibercrime russo em todo o mundo”, afirmou Ruslan Stoyanov, diretor do Departamento de Investigação de Incidentes em Computadores da Kaspersky Lab.

O relatório completo está disponível em Securelist.com

Author

Patricia Fonseca
Patricia Fonseca

Viciada em tecnologia, entrou para a equipa em 2012 e é responsável pela Leak Business, função que acumula com a de editora da Leak. Não dispensa o telemóvel nem o iPod e não consegue ficar sem experimentar nenhum dispositivo tecnológico.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *